Os três acusados de envolvimento na morte de Kelly Cristina Cadamuro, de 22 anos, após combinar uma carona por WhatsApp, foram ouvidos numa audiência de instrução e julgamento nesta quarta-feira (16), no Fórum de Frutal, no Triângulo Mineiro.

Três testemunhas também foram ouvidas pelo Juiz Gustavo Moreira, segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e outras serão ouvidas por carta precatória. O julgamento do processo tramita na Vara Criminal da comarca de Frutal e a sentença deve sair em 30 dias. 

Jonathan Pereira do Prado, de 33 anos, foi indiciado pelos crimes de latrocínio, estupro e ocultação de cadáver. Wander Luís Cunha e Daniel Teodoro da Silva respondem por receptação, uma vez que teriam comprado os objetos roubados de Kelly.

Kelly Cadamuro era estudante de radiologia e desapareceu no dia 1º de novembro depois de sair de São José do Rio Preto (SP) com destino a Itapagipe (MG), para encontrar com o namorado, de 28 anos.

O corpo da jovem foi encontrado em um córrego entre Itapagipe e Frutal (MG), sem a calça e com a cabeça mergulhada na água. Ela foi vítima de asfixia e estrangulamento.

Leia mais:
Justiça marca audiência de julgamento de suspeito de matar jovem após carona combinada via WhatsApp
Suspeito de matar jovem que deu carona pode pegar até 45 anos de cadeia
Polícia reconstitui morte de jovem que ofereceu carona e vê indícios de estupro
Jovem morta ao dar carona economizava dinheiro para casamento