Força e delicadeza se entrelaçam nos traços, desenhos, danças, músicas e projeções que compõe o espetáculo “Traçado”, do grupo de dança de salão Café com Dança, que estreia amanhã no Palácio das Artes.

Com concepção do coreógrafo e bailarino Welbert Melo, a montagem carrega a inspiração nas artes visuais, no cubismo e nos traços não lineares da vida. “É um espetáculo para trazer emoção. É forte, mas ao mesmo tempo, suave. Imponente, mas ao mesmo tempo, delicado”, define o diretor.
Melo destaca que o título não foi uma escolha do acaso: além da própria relação com a fonte de inspiração da montagem, “Traçado” também carrega a essência do espetáculo. “Através do traço, você conta uma história, começa uma obra e é isso que fazemos no palco. Estamos fazendo uma obra até chegar ao final”, afirma.

Segundo Melo, a inspiração cubista também tem seus reflexos na escolha da trilha, quando mistura clássicos como “Tico-tico no Fubá” (de Zequinha de Abreu), “Echoes” (do Pink Floyd) e “Beatriz” (de Chico Buarque), em arranjos diferentes.“Tem muita inspiração do Brasil, mas também de fora. Trabalhamos com o tradicional, mas de uma forma vanguardista. É um espetáculo bem diversificado”, completa. “Fizemos uma pesquisa de vários artistas, cada um com sua linguagem, mas conseguimos fundi-las”, explica o coreógrafo.

O passeio por ritmos musicais também se faz evidente na coreografia, que aciona o samba, bolero, forró, salsa, zouk e tango. “A gente dança ritmos que as pessoas talvez não esperem que sejam dançados com as músicas escolhidas, por isso elas trazem também esses arranjos diferentes”, pontua o coreógrafo

Serviço: Espetáculo “Traçado”, amanhã, no Grande Teatro do Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1537 – Centro). Ingressos: R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia)