Fracasso, miséria, morte, recusas. A leitura de “Walter Benjamin – Uma Biografia”, lançado pela Autêntica, é ilustrativa do esforço de um produtor de ideias original em se fazer compreender em sua época, esbarrando-se em correntes de pensamento que, não raro, vão em direção oposta às suas.

O maior exemplo desse embate constante do filósofo e crítico alemão Walter Benjamin, entre pensar à frente de seu tempo e ser aceito pelo simples fato de oferecê-las, quando o mundo enfrentava os seus piores momentos de embotamento, entre as duas grandes guerras, está em sua própria morte.

Suicídio
No período mais difícil da Segunda Guerra Mundial, o escritor judeu estava na França à espera de um visto de entrada nos Estados Unidos. Junto com um grupo de fugitivos, tentava entrar na Espanha ilegalmente, mas foi parado pela polícia do país, por não ter o visto de saída da França. 

Em Portbou, não quis esperar o desfecho sobre o seu destino e resolveu se matar, com morfina. No dia seguinte, as autoridades espanholas não deportaram o grupo, que pôde prosseguir em sua viagem para longe dos horrores da escalada do fascismo.

Na apresentação, a brasileira Marcia Tiburi pergunta, sobre o livro, se “poderá a sua leitura servir para algum tipo de libertação para os nossos tempos novamente tão sombrios”. Ela compara o “fracasso” em vida de Benjamin ao do escritor checo Kafka. 

Otimista
“Benjamin é apresentado no contexto das intensidades, dos dissabores, das esperanças, da crítica e da autocrítica, das relações humanas em tempos tão difíceis como aquele entreguerras em que ele viveu e escreveu”, salienta Marcia, que elogia a costura entre e vida e obra.

Mesmo na Escola de Frankfurt, escola de teoria social interdisciplinar neomarxista, Benjamin não foi bem aceito, enxergando outras formas de se apropriar do pensamento comunista. Ele tem um olhar positivo sobre a relação do cinema com o público, por propor um instrumento eficaz de renovação das estruturas sociais.

“Walter Benjamin – Uma Biografia”, de Bernd Witte. Editora Autêntica. Tradução: Romero Freitas.160 páginas. R$ 47,90