“Criança de hoje esqueceu como se brinca na rua”, registra o eletricista Adilson Luiz da Silveira, com 44 anos que estão sendo bem vividos agora, após matar a saudade de uma antiga brincadeira dos tempos de infância. 
 
Em sua casa no bairro Alto dos Pinheiros, região oeste de Belo Horizonte, ele projeta carrinhos de rolimã de “última geração” para competir com outros marmanjos que também resgataram o prazer de andar em alta velocidade no asfalto.
 
Alta velocidade, sim senhor. “Dependendo do lugar, chegamos a 100km/h, como na Serra da Moeda. Chegamos a ultrapassar os carros, deixando os motoristas incrédulos”, destaca Daniel Alves Pedra, conhecido como o Destruidor.
 
“Ganhei esse apelido porque ‘meto o cacete’ no bicho. Se o carro não for bom, ele quebra na minha mão”, salienta o motorista de transporte escolar, 34 anos, que poderia muito bem estar num daqueles filmes da série “Velozes e Furiosos”.
 
No lugar de carros, Daniel “turbina” os brinquedos com apetrechos como injeção eletrônica e dois eixos direcionais. É um dos pilotos mais rápidos de BH, nas categorias de longa distância, chamadas de “descidas de serra”.
 
Os carrinhos, antes construídos com três pedaços de madeira, quatro rolimãs e alguns pregos, transformaram-se radicalmente em sua versão 2.1. O prazer, porém, continua o mesmo, como se o (nem tão) rústico veículo fosse o dono da rua.
 
Para quem quer começar agora na brincadeira ou relembrar o passado, não precisa gastar mais de R$ 1 mil, investimento feito por Daniel num carrinho que competirá nesse domingo numa prova nacional em Poços de Caldas.
 
Adrenalina
Os próprios pilotos fazem questão de divulgar o esporte e emprestar seus carrinhos, em eventos semanais realizados na Avenida João César de Oliveira (aos domingos), em Contagem, e no bairro Salgado Filho. “Hoje tenho 15 carrinhos em casa, mas já fiz um monte. O resto distribuí para crianças carentes. Ela adoram e não só as mais humildes. Querendo ou não, é um esporte que tem adrenalina. Qual criança não gosta disso?”, pergunta Silveira.
 
Para o eletricista, o rolimã é “uma coisa antiga e nova ao mesmo tempo”. As novas gerações descobrem, segundo ele, um prazer desconhecido. “Rolimã é uma brincadeira de verdade”.
 
A atração pelos carrinhos cresceu tanto que hoje há várias equipes espalhadas por BH É como se fossem escuderias de Fórmula 1, cada uma buscando o título de a mais rápida. “A gente até ajuda os outros a fazer (os carros). Gostamos de uma disputa ‘pau a pau’”, afirma Adilson.
 
Os pilotos veteranos gostam de incrementar, mas um bom carrinho não custa mais do que R$ 50, quando feito artesanalmente. Não basta o veículo, vale o alerta: as roupas protetoras são indispensáveis, como capacete, luvas, botas e coletes armaduras
 
rolima1

 

 
Projeto social faz do carrinho de rolimã um aprendizado
 
A pedagoga Letícia Schneider era só uma curiosa, acompanhando a filha Maria Eduarda, de 8 anos, nos muitos eventos de carrinhos de rolimã espalhados pela cidade. Até que resolveu ‘pôr na linha’ um bando de “ogros”, a partir da proposta de criação de um projeto social para a atividade.
 
“Quando eu conheci os pilotos, um pessoal legal, sem qualquer cerimônia, eu notei que eles precisavam de uma organização pedagógica. Com muito custo fiz eles entenderem que, para lidar com crianças e adolescentes, precisam de um projeto”, conta Letícia.
 
Segundo ela, para os pilotos, bastava chegar numa comunidade e falar do esporte. “Não é bem assim. Afinal, você está mexendo com os filhos dos outros. É preciso passar veracidade e confiança”, sublinha Schneider, que, mesmo com a roupa de proteção, “morre de medo” de andar nos carrinhos.
 
Estudar brincando
Assim, o campeonato de rolimã é apenas uma parte do projeto, que leva a criança a aprender de uma forma divertida. Os participantes estudam mecânica, física e matemática para compreender o funcionamento dos carrinhos, aprendendo a usar material reciclado. “A gente acaba contribuindo para a vida desse sujeito. Há também todo um contexto para aproximar a família, como lanches e cestas básicas”, detalha a pedagoga.
 
rolima2

 

 

SERVIÇO: Principais locais para andar de carrinho de rolimã

ESPLANADA DO MINEIRÃO - Todas as terças, a partir das 19h30

PRAÇA DO PAPA - Todas as quintas, a partir das 19h30

AV. JOÃO CÉSAR DE OLIVEIRA - Todos os domingos, de 7h às 13h