Rafael Fernandes, de 24 anos, acabou de formar na Faculdade de Gastronomia do Promove e fechou o processo de formação acadêmica com chave de ouro. Ele foi o vencedor do 1º Chef Brumadinho Gourmet, competição entre cozinheiros amadores e estudantes de gastronomia realizada entre quinta (7) e domingo (10).

“Foi meu primeiro concurso, eu estava com uma boa expectativa e bastante ansioso. Nunca tive um contato com um público grande, foi motivante”, conta Rafael, que foi acompanhado por uma torcida formada por familiares e amigos durante os quatro dias de competição.

Atração do festival gastronômico Brumadinho Gourmet, o concurso recebeu 152 inscrições, sendo que 60 pessoas foram selecionadas para participar das seletivas ao vivo. Os inscritos deviam enviar três receitas 100% autorais – entrada, prato principal e sobremesa – que seriam desenvolvidas durante as eliminatórias do concurso e avaliadas por um corpo de jurados.

Primeira fase

A receita enviada por Rafael para a entrada foi o “Quintal Mineiro”: barriga de porco com farofa crocante, molho de cachaça e mel e algodão-doce. Tudo servido numa pedra de ardósia. “O interessante é que o algodão derrete na boca e harmoniza com a carne de porco. Chamei de Quintal Mineiro porque o quintal da casa da minha avó é feito com ardósia e lá sempre tinha carne de porco na infância”, relata o chef iniciante.

A sobremesa foi uma Panna Cotta com caldo de mirtilos (blueberry), enquanto o prato principal foi feito com camarões grelhados marinados no espumante rosé. “A partir dessa marinada, reduzi o molho e espessei com creme de leite. Então, servi os camarões com o molho de espumante, uma farofa de pão com amêndoas, páprica defumada e creme de baroa. O nome ficou 'Camarões em area de praia'”, lembra Rafael.

Final

Cinco pessoas foram selecionadas para a final do concurso, realizada no domingo (10). A todas elas foi dado o desafio de preparar pratos com carne de pato e de montar um almoço completo – entrada, prato principal e sobremesa – com R$ 100. As compras foram feitas previamente em um supermercado da região e cada finalista teve duas horas para preparar tudo.

Para a última etapa, Rafael preparou de entrada chips de beterraba com ragu de pato (aquisição na Vila Germânia) com aioli. Como prato principal, criou um peito de pato com mousseline de pêra e molho de frutas do bosque (morango, amora e framboesa). Para a sobremesa, ele fez uma noisette de salada de frutas servida com uma calda de canela flambada na cachaça e uma bola de sorbet de tangenrina com gengibre.

Com o recém-conquistado diploma em mãos, Rafael espera conseguir uma colocação em um restaurante de alto nível de Belo Horizonte. Seu sonho é trabalhar com Leo Paixão, do Glouton, um dos chefs mais admirados hoje em Minas e no Brasil. Também espera ter uma oportunidade de trabalhar fora do Brasil, em países como Portugal e Espanha.

Para ele, o fundamental na gastronomia é saber unir o sabor com a beleza do prato. “Entrei na faculdade tendo o food design como minha paixão. Sempre amei o trabalho sobre a apresentação dos pratos, mas não basta só ter uma comida bonita, mas sem sabor. Tentei absorver o máximo de todas as matérias na faculdade para ser um profissional completo. A vitória no concurso foi resultado de dois anos e meio de curso”.