Foi para se desconectar do celular que o jornalista mineiro Héder Godinho resolveu ressuscitar um velho hábito, o de desenhar. Para surpresa e deleite – dele e da plateia já conquistada –, o passatempo ganhou novos contornos e uniu outras de suas paixões ao começar a dar vida às criativas histórias contadas pelo afilhado Miguel – e em breve também por outros meninos e meninas. Assim nasceu o “Histórias de Criança”, com conteúdo que engloba ilustração, fotografia e produção de vídeos. O canal onde Héder transforma as narrações em desenho animado está no ar desde o fim do ano passado.

Embora a ideia já tenha lugar cativo no YouTube, o jornalista reforça que esse não foi o objetivo inicial do projeto. “Como tenho um mestrado em teoria literária, resolvi começar a escrever um livro infantil, mas sem data determinada, apenas pelo prazer”, diz. 

A obra ganhou novos rumos quando Miguel, de 4 anos, escutou o enredo. “Contei para ele a história e ele ficou encantado com tudo”, lembra Godinho, acrescentando que em uma das brincadeiras com o afilhado, o menino acabou gravando numa câmera uma versão particular da história original. “Depois de um tempo assisti à gravação e pensei em transformá-la em animação”, recorda. 

Histórias de Criança

As animações, que levam até 70 horas para serem concluídas, podem ser acessadas no goo.gl/ZjiSqh ou pelo site historiasdecrianca.com

Continuidade

A partir do primeiro vídeo surgiu o desejo de continuar animando as criações do afilhado. “Agora, estamos no terceiro episódio. Tudo é uma brincadeira, vou reunindo o que ele vai me contando, sem uma preocupação muito técnica. O meu papel mesmo é entender e traduzir o que conta. É uma história de criança para criança”, define o jornalista, que ressalta a importância do projeto. “É através das histórias e da imaginação que a criança se prepara para o mundo”, acredita.

Histórias de Criança

Godinho ressalta que toda a produção dos vídeos é dele – da roteirização ao resultado final. “Todo o processo de edição leva em torno de 70 horas”, explica. No Instagram do projeto (@historiasdecrianca_), imagens dos bastidores são compartilhadas com o público do canal. 

A criação das histórias, que até o momento tem ficado por conta do afilhado, acontece nos fins de semana. “Ele costuma ir até a minha casa e faço coisas de padrinho mesmo, como brincar, dar chocolates. Em meio a isso ele me conta as histórias, fala sobre como foi sua semana, e pego algumas coisas, vou ouvindo e filmando o que ele diz”, relata Héder Godinho. 

“Crianças costumam contar as coisas de maneira meio desconexa, então eu organizo todo o processo. Depois venho com o desenho, que acaba complementando alguns espaços brancos deixados por ele também”, afirma, citando um episódio em que o afilhado diz: “Terra à vista” e explicando que, embora a frase não tenha muito contexto quando falada, ganha corpo ao lado da ilustração. “O desenho une essas partes que ele não conta”, diz. 

Feedback

Outra parte fundamental do processo é a avaliação das crianças. “O Miguel é a primeira pessoa a assistir. Se ele gostar, está aprovado. Só depois de outras crianças assistirem também que coloco o vídeo no YouTube. Gosto de ter esse feedback para ver se consigo tocar o coração deles”. 

Histórias de Criança

Produção de episódios demanda horas a fio de trabalho

O jornalista diz que a pretensão agora é incluir também narrativas de outras crianças. Para isso, Godinho já abriu espaço para que pais e mães enviem histórias contadas pelos filhos e visitou também escolas e creches, onde coletou narrativas contadas pelos alunos. Novos vídeos devem ser lançados nos próximos meses.