Em território nacional, de 2016 pra cá, houve aumento de 4.694% nos streamings de funk, de acordo com levantamento do Spotify. Minas Gerais está entre os dez estados brasileiros onde o ritmo mais cresceu na plataforma, com crescimento superior a 80%. 

Para o DJ Lipão, que faz parte do duo belo-horizontino FunkBrothers, o cenário é resultado, principalmente, da diminuição do preconceito em relação ao estilo. “As pessoas têm tido a mente mais aberta e ter nomes importantes no cenário nacional como Anitta, Ludmilla e MC Kevinho ajuda também a quebrar barreiras”.

A aceitação maior do público passa também por uma mudança nas composições. “A molecada aqui sempre gostou de funk, mas como as letras atuais estão mais leves, isso acaba atraindo ainda mais pessoas. Ajuda a mudar aquela ideia de que é música somente para bandido e favelado”, expõe. 

Lipão destaca, ainda, a importância do estilo para mudanças sociais na própria comunidade. “O funk não é aquela criminalidade que muita gente fala. Ele tem ajudado muitas pessoas a saírem do crime. Fazemos também esse projeto (o FunkBrothers) para mostrar que o funk é uma realidade que ajuda famílias, não que destrói”. 

Produção local

Para além do consumo no streaming, o cenário do estilo em BH também tem força. Há mais de sete anos no mercado, o DJ Lucas BHZ afirma que a produção belo-horizontina tem força. 

“Antigamente, quando se falava em funk pensavam apenas no Rio de Janeiro e São Paulo. Nenhum MC de Belo Horizonte fazia barulho fora, mas agora é diferente. Muita gente me procura e me diz que o funk daqui é muito gostoso de se escutar”, diz.

Ele credita a expansão da produção mineira ao belo-horizontino MC Delano, que teve alcance nacional com os hits “Devagarinho”, lançado em 2015, e “Na Ponta Ela Fica”, de 2016. “Ele foi o ponto principal para que a música da capital ganhasse reconhecimento fora daqui. Ele começou a levar nossa bandeira para a fora”, afirma o DJ Lucas BHZ. 

A expectativa é de que a produção mineira conquiste cada vez mais espaço fora do Estado. “Fazemos uma mistura diferente e também falamos da realidade de Belo Horizonte. Tem muito MC com muito talento na cidade”, pontua ele, que cita MC Rick, MC Kaio e Delano como destaques do cenário.

 

 

 

Leia mais:

Funk ganha o mundo: ritmo cresce mais de 3.000% no Spotify fora do Brasil

Anitta mostra em Lisboa seu funk tipo exportação

Com funk de batida viciante, Anitta dá seu 'xeque-mate'