O Espaço do Conhecimento UFMG recebe, a partir desta sexta (14), a mostra temporária “Canção Amiga – Clube da Esquina”, resultado das pesquisas interdisciplinares do Centro de Referência da Música de Minas UFMG. A exposição foca o principal movimento musical de Minas protagonizado por Milton Nascimento, Fernando Brant, Toninho Horta e outros.

A exposição ocupa o segundo e o quinto andares do Espaço. No Planetário, haverá a exibição do filme “Entre Discos e Esquinas”. Na Fachada Digital, uma projeção exibe depoimentos de artistas do Clube da Esquina. A mostra fica em cartaz até setembro.

Três esquinas compõem a exposição, evidenciando o encontro de temas caros ao contexto social e político de 1972 a 1978, período em que os discos “Clube da Esquina” e “Clube da Esquina 2” foram lançados. Ao chegar à mostra, o visitante se depara a primeira esquina: recordada nas canções em forma de brincadeiras e vivências perdidas no tempo, como a bola de meia, a bola de gude, o papagaio de papel. Esta é celebrada nas composições, que cantam as manifestações da cultura popular marcadas por religiosidade livre e pelo encontro com o inexplicável.

A segunda esquina une cidade e natureza. A primeira é vista por outro ângulo, como um espaço de ética e política, fugindo do lugar do puro interesse privado. O meio ambiente, por sua vez, aparece com uma preocupação de sustentabilidade, que pede a comunhão com o verde. A terceira e última esquina reflete o binômio realidade e utopia, em que os artistas propunham alternativas para os problemas do presente. As canções deixavam latentes o desejo e a esperança do novo, de uma transformação da realidade que não era satisfatória.

Som Imaginário

Um dos pontos altos é a instalação “Som Imaginário”. Nela, as faixas são reproduzidas em seis canais, e o ouvinte fica no centro deles, onde recebe as fontes sonoras em todas as direções e profundidades. A trilha sonora foi feita especialmente para a mostra, oferecendo ao público uma audição revisitada de canções do Clube da Esquina que abordam temas caros ao movimento que a exposição percorre: Transcendência, Infância, Natureza, Cidade, Realidade e Utopia.

A produção das canções foi realizada no estúdio da Escola de Música da UFMG com a participação de alunos, professores e convidados. Com a gravação em seis canais, os instrumentos e as vozes ficam mais definidos, sendo melhor reconhecidos e apreciados. Tavinho Moura, Toninho Horta, Túlio Mourão e Titane participaram das regravações.

As músicas escolhidas foram “Amormeuzinho” (Tavinho Moura e Fernando Brant), “E Daí” (Milton Nascimento e Ruy Guerra), “Clube da Esquina” (Lô Borges, Milton Nascimento e Márcio Borges), “Falso Inglês” (Toninho Horta), “Nada Será Como Antes” (Milton Nascimento e Ronaldo Bastos), “Nuvem Cigana” (Lô Borges e Ronaldo Bastos) e “Raça” (Milton Nascimento e Fernando Brant).

O Espaço do Conhecimento UFMG fica na Praça da Liberdade, 700, Funcionários.

Leia mais:
Dia Mundial do Rock: 5 bandas e músicos autorais de BH que você precisa conhecer
Barão Vermelho retorna a BH com nova formação
Para pensar a diversidade no Dia Mundial do Rock