Se o cenário–o Parque Municipal– já inspira vibrações boas, o nome do festival que vai ocupá-lo de hoje até domingo segue o mesmo caminho. Com a promessa de reunir bem-estar e música, o Vibra 2017 traz à BH nomes como Lenine e Nação Zumbi, além de atrações locais como o rapper Flávio Renegado e a Orquestra Atípica de Lhamas.

Destaque da programação, Lenine, que se apresenta amanhã, conta que o show tem um sabor especial. “O bacana é que além de serem várias pessoas se apresentando dentro do parque, tem essa conjunção de coisas”, afirma ele, referindo-se a variedade de atividades do evento.

O músico também destaca a importância do festival diante do momento vivido pelo país atualmente. “É um evento que acontece em um lugar muito bacana, ao ar livre, ainda mais em um momento que estamos discutindo a Amazônia sendo dilapidada por alguém que a gente não elegeu”, critica.

Jorge Du Peixe, da Nação Zumbi, endossa o coro dos descontentes e elogia a iniciativa do Vibra. “Fazer um festival no meio dessa problemática econômica e política que o país atravessa, para mim, é resistência”, afirma. Neste contexto, ele destaca o papel da música. “Ela tem um lado político, é instrumento de grito, o artista de alguma forma canaliza isso”, pontua. “Se você tem a voz, você pode colaborar e de certa forma fazer mudanças”, completa o músico.

Homenagem

O festival aproveita que 2017 marca os 20 anos da morte de Chico Science, e faz uma espécie de homenagem ao artista ao convocar a Nação como uma de suas principais atrações. Para Du Peixe seguir com a música ainda é a melhor maneira de lembrar do companheiro. “Sempre que subirmos ao palco vai ser uma reverência a ele, não tem como desvencilhar isso. Temos esta obrigação a cada apresentação”.

Serviço: Festival Vibra 2017, de hoje a domingo, às 19h no Parque Municipal Américo Renné Giannetti (Av. Afonso Pena, 1377 – Centro). Ingressos de R$ 15 a 30$