Ainda falta pouco mais de um mês para o início das férias, mas a programação deste fim de semana é especial para os “baixinhos”, que terão várias opções culturais para escolher, de “Xuchá, o chá da Xuxa” a espetáculos teatrais clássicos, como “Pinóquio”, “A Bela e a Fera” e “Pedro e o Lobo”.
 
Já o tema da peça “Elizabeth Tudo Pode”, em cartaz hoje e amanhã no Galpão Cine Horto, pode assustar os mais incautos (a história da rainha virgem Elizabeth I, governante da Inglaterra na fase absolutista), mas vale destacar que a monarca é apenas o mote para valorizar “pessoas reais”, como destaca a atriz e roteirista Juliana Zancanaro.
 
“Não é propaganda da Inglaterra por si só. O interessante é relembrar que a História foi feita por pessoas reais. Na escola, quando as crianças estudam imperadores e reis, como o nosso Dom Pedro I, a impressão é a de que só existem nos livros. Na peça, falamos que Elizabeth perdeu a mãe aos três anos, sendo criada pela governanta”, destaca.
 
Corta!
Juliana interpreta uma garota que descobre a trajetória da rainha na biblioteca de Alexandria. Os livros criam vida e ajudam a transformar numa linguagem mais acessível momentos delicados, como a decapitação da mãe de Elizabeth. “A forma lúdica de falar disso foi mostrar uma rainha de copas gritando ‘corta!’, no momento da decapitação”, registra.
 
E, como em muitos trabalhos do grupo Yinspiração, há preocupação com o protagonismo feminino, buscando figuras históricas antes obscuras e constatando que elas “não são mero detalhe na história do mundo”. Juliana assinala que “tudo depende de quem conta”, citando o caso da Independência do Brasil, que teve participação de Maria Quitéria.
 
Ao pesquisar na História e na mitologia exemplos estimulantes para as mulheres atuais e mergulhar na vida de Elizabeth I, considerada até hoje pelos ingleses uma das importantes monarcas do país, Juliana percebeu que estava diante de um universo de reis e rainhas de grande interesse das crianças.
 
“A diferença para os contos infantis é que as tramas geralmente acabam no encontro com o Príncipe Encantado e no ‘viveram felizes para sempre’. Nós mostramos uma princesa que ultrapassou isso e virou rainha”, analisa. Abordagem que proporcionou questionar o fato de Elizabeth não ter se casado e ganhar a alcunha de “rainha virgem”.
 
Juliana lembra que, na época, rainhas se casavam motivadas por acordos políticos com outras nações. “A irmã dela, Bloody Mary, se casou com o rei espanhol. E o fato de ela não seguir o mesmo caminho não significativa que nunca teve um homem. Ela só quis ter a rédea de sua vida na mão. Por isso que, na peça, observamos que a história é feita por quem conta”.
 
Serviço: “Elizabeth Tudo Pode” – Hoje e amanhã, às 16h, no Galpão Cine Horto (Rua Pitangui, 3613 – Horto). Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). “A Bela e a Fera” – Hoje e amanhã, às 16h, no Francisco Nunes (Av. Afonso Pena, s/nº – Parque Municipal). Ingressos a R$ 40, R$ 20 (meia) e R$ 15 (postos Sinparc). Hoje e amanhã, às 16h, no Teatro da Assembleia (Rua Rodrigues Caldas, 30 – Santo Agostinho). Ingressos a R$ 34 e R$ 17 (meia). “Pedro e o Lobo, com Grupo Giramundo e Orquestra Jovem de Inhotim – Amanhã, às 16h, no Cine Theatro Brasil Vallourec (Avenida Amazonas, 315). Ingressos a R$ 10 e R$ 5 (meia). “Pé de Sonho” – Amanhã, às 16h, no Teatro Bradesco (Bahia, 2244 – Lourdes). Entrada franca.