Condenar um inocente à morte ou deixar um assassino à solta nas ruas? Esse é o dilema retratado em “Doze Homens e Uma Sentença”, peça do grupo paulistano Tapa em cartaz hoje e amanhã no Cine Theatro Brasil Vallourec.

Com mais de 200 mil espectadores, a montagem (vencedora do Prêmio APCA de Melhor Espetáculo em 2010), põe em discussão as leis e todos os poderes carregados por ela, quando coloca em cena o julgamento de um jovem acusado de matar o pai. “É uma peça política, não no sentido que temos no país hoje, mas em uma questão de cidadania. É uma discussão sobre a lei”, explica Eduardo Tolentino, diretor do espetáculo.

No caminho para a decisão, que deve ser tomada de forma unânime pelos jurados, a montagem traz à tona diferentes questões. “O grande sucesso da peça é que cada um dos jurados entra com seus preconceitos, seus pensamentos. Na primeira camada, todos têm sua opinião. Mas em um segundo e terceiro momento, elas passam a ser refletidas”, aponta Tolentino.

Para o diretor, o sucesso da montagem, que se mantêm em cartaz há mais de seis anos, está no apelo do enredo ao público, principalmente no contexto vivido pelo Brasil hoje. “Além da qualidade do espetáculo e dos atores, o tema mexe com as pessoas. Elas se identificam com os personagens, ainda mais em um momento em que o Brasil está discutindo a Lava Jato e as leis e os seriados forenses também são um grande sucesso. O assunto está na nossa ordem do dia”.

Serviço: “Doze Homens e Uma Sentença”, hoje e amanhã, às 21h no Cine Theatro Brasil Vallourec (Av. Amazonas, 315 – Centro). Ingressos R$ 50 (inteira)