Descobertas e aprendizados. São esses elementos que dão o tom da obra “Diário da Mãe da Alice” (Scrittore), lançado pela jornalista mineira Mariana Rosa, autora do blog homônimo. 

A publicação é uma coletânea de crônicas escritas durante os primeiros anos de vida da filha Alice, hoje com três anos, que por complicações no parto prematuro desenvolveu paralisia cerebral e a Síndrome de West (epilepsia de difícil controle).

De forma poética e delicada, a autora transita por momentos importantes, como o diagnóstico, a hora de sair do hospital, o primeiro sorriso, dentre outros. No decorrer das linhas, o leitor vai se familiarizando com alguns termos médicos e, mais ainda, com o amor que emana em cada interação entre mãe e filha. 

Uma leitura não só para pessoas que vivenciam a maternidade atípica. Ao longo de 145 páginas, Mariana revê conceitos e preconceitos e cria empatia com o leitor, que terá a chance de rever suas próprias ideias sobre felicidade e valorização da diferença. 

Uma das muitas frases que uma gestante ouve é “O importante é que venha com saúde”. Mas e se não vier? Esse é apenas um dos questionamentos colocados na obra que Mariana desenvolve, para concluir: “Compreendi que o contrário da doença não é a saúde, é o amor”.

Esse é um passo para a quebra do conceito de que a paralisia cerebral paralisa a vida. Os relatos mostram o contrário: a condição especial impõe movimento constante, tanto de Alice quanto da mãe. 

Como Mariana coloca no livro, “diagnóstico não é destino nem sentença. É uma interpretação médica sobre a vida”. Mas a vida também é interpretada por outros pontos de vista. E são esses que a autora mostra de forma sensível. 

Fica o entendimento de que a deficiência é apenas uma característica da identidade de Alice, assim como os cabelos encaracolados. Um convite para se olhar para a criança além da deficiência. 

A obra ganha ainda mais leveza com as ilustrações de Bruno Campos e Letícia Naves, que brincam com o imaginário. Além de um relato íntimo, o livro mostra a riqueza da diversidade humana. Um compartilhamento que continua no blog diariodamaedaalice.wordpress.com.