Publicado pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) em parceria com o Canal Brasil e o Grupo Editorial Letramento, o livro “Documentário Brasileiro” reúne 100 ensaios sobre documentários de diferentes épocas e formatos, escolhidos em votação realizada no primeiro semestre de 2017, com a participação de integrantes da Abraccine e convidados. Conta ainda com 20 textos sobre personagens e movimentos importantes na história do gênero no Brasil.

Obra é organizada por Paulo Henrique Silva, crítico e repórter do Hoje em Dia, e presidente da Associação Brasileira de Críticos de Cinema

“Documentário Brasileiro” é o segundo livro da coleção dedicada ao cinema nacional produzida por Abraccine e Canal Brasil – o primeiro foi “100 Melhores Filmes Brasileiros”, também da Letramento e lançado em 2016.

De confecção luxuosa, em formato de livro de arte e fartamente ilustrada, a publicação parte dos pioneiros do gênero no Brasil, que desbravaram o interior em busca de imagens nos anos de 1910, como Silvino Santos e o Major Thomas Reis.

HISTÓRIA
A evolução do formato passa por Humberto Mauro, à frente do Instituto Nacional do Cinema Educativo (Ince), pelos fundadores do Cinema Novo e de realizadores que focaram suas câmeras para a problemática social do Nordeste. Nomes fundamentais ganham capítulos especiais, como Eduardo Coutinho (“Cabra Marado para Morrer”), Andrea Tonacci (“Serras da Desordem”, Silvio Tendler (“Jango”), Sylvio Back (“A Guerra dos Pelados”) e os irmãos João Moreira e Walter Salles (“Santiago”).

O livro também se detém na representação das mulheres, dos negros, dos indígenas e da periferia no documentário e aborda a presença do gênero no desenvolvimento do cinema experimental, da Boca do Lixo e da videoarte. “Mesmo que alguns filmes marcantes não estejam presentes entre os 100 filmes essenciais, eles são analisados com profundidade nesta parte histórica”, registra Paulo Henrique Silva, repórter do jornal Hoje Em Dia, organizador do livro e presidente da Abraccine.

Para o organizador, mais importante do que estabelecer uma ordem de preferência (mais de 600 títulos foram citados na votação da Abraccine) é a percepção dos muitos diálogos que são travados silenciosamente entre os 100 textos sobre a produção documental no país. “O leitor não encontrará um movimento ou cineasta melhor do que outro, mas como cada um deles foi importante para montar os alicerces do gênero”, assinala Paulo Henrique.