Sabe aquela vontade imensa de acertar com o filho? Aquela que te faz antecipar os desejos dele, cercá-lo de cuidados, protegê-lo de todos os perigos do mundo... Será que esse amor todo é SEMPRE bom? 

Em “Não Falta Nada” (Peirópolis, 32 páginas, R$ 36), seu terceiro livro para o público infantojuvenil, a escritora e psicanalista paulista Tatiana Filinto conta – com o auxílio luxuoso das ilustrações do artista plástico Visca – a história de um menino que SEMPRE teve alguém do lado desde que nasceu.

Com humor, é o próprio menino que narra suas aventuras, desventuras e percepções. Desde pequenininho, quando queria explorar tudo o que via pela frente, mas acabava sendo contido por alguém. Quando aprendeu a dar os primeiros passos, mas acabava sempre em algum colo. Quando entrou para a escola e teve sua “ficha” completa apresentada à professora logo no primeiro contato. E quando teve sua agenda preenchida por diversas atividades (natação, judô, futebol, música, desenho), sem entender o motivo daquilo tudo.

“Quando chorava, ouvia um barulho engraçado, grosso e acelerado: era minha mãe correndo pelo corredor em direção ao meu berço! Nem eu sabia direito porque chorava, mas ela parecia saber e colocava uma chupeta na minha boca. Vai ver era falta de chupeta”

Quando o menino tem, enfim, a chance de trilhar seu próprio caminho, ele escolhe a liberdade – e atravessa o rio a nado, seca a roupa ao sol, sobe em árvores para alimentar passarinhos, come jabuticaba no pé, faz novos amigos... Com a segurança de quem pode voltar para o aconchego do “maior abraço do mundo” na hora que bate a saudade.