Já foi o tempo em que se ouvia música eletrônica apenas em festas. Hoje ela está em todo lugar, na academia e nas rádios, com DJs virando popstars. “Ficou mais comercial, mais pop e diversificada. A internet conseguiu difundi-la com muita velocidade, ajudando a renová-la”, observa Otacílio Mesquita, produtor do Stereo Festival, que terá como principal atração, neste sábado (22), no Mirante Beagá, o holandês Hardwell, considerado por duas vezes o melhor DJ do mundo.

Os ingressos para o Stereo Festival à venda nas lojas Chilli Beans do Pátio Savassi, BH Shopping e Diamond; Buy Tiket do Shopping Cidade e Itaú Shopping, além do site Sympla. Os preços variam de R$ 180 a R$ 340, de acordo com o setor. Informações: 3889-2003

A capital mineira, por sinal, virou parada obrigatória de DJs internacionais, já tendo recebido nomes como Afrojack, David Guetta, Galantis, Calvin Harris, Armin Van Buuren, Steve Angello, Nick Romero, Fatboy Slim e Skrillex. “Belo Horizonte tem uma posição de destaque nesse ramo. Prova disso é que, quando esses grandes vêm ao Brasil, na maioria das vezes por um final de semana apenas, 90% deles incluem a cidade na tour”, salienta Otacílio, que trabalha com música eletrônica há 15 anos.

É ele quem está por trás da produção mineira do Net Festival e do Xxxxperience, uma das maiores festas de música eletrônica do Brasil, realizada há 20 anos, e que retorna a BH dia 10 de junho, após seis anos de ausência. A razão de BH estar presente no top desse ritmo no Brasil, ao lado de Rio de Janeiro, São Paulo e Camboriú (SC), tem a ver, segundo Otacílio, com o investimento feito nesse mercado. “Criando uma cultura de música eletrônica na cidade, com o público sendo bem fiel”, explica.

Fôlego renovado
Ele lembra que sempre houve “uma rotina de encontrar o formato adequado”, que seja bom tanto para o artista como para o público. Em 2012, o primeiro evento não esportivo realizado no estádio Independência recém-reformado foi uma apresentação de David Getta e Calvin Harris, que reuniu mais de 25 mil pessoas. “É importante que tenhamos espaços para abrigar esse tipo de evento”, observa. Um motivo para o gênero sofrer uma baixa nos últimos anos foi justamente a falta de opções de local.

“Tínhamos uma carência de espaços para atender essa demanda. Ficávamos limitados ao Mega Space, que é mais distante. Agora o Mirante Beagá está voltando com força e há a Esplanada do Mineirão, onde já fizemos, por três anos, o Net Festival”, registra. Outro problema foi a saturação de certos modelos e atrações. A criação do Stereo Festival vem nesse sentido. Por ser um mercado que evolui muito rápido, ele viu a necessidade de criar uma marca própria, em que tivesse liberdade para escolher as atrações que melhor se comuniquem com Minas Gerais.

“Franquias são muito positivas, mas temos sempre que nos adaptar ao que vem de fora”, pontua. No Stereo, o grande nome é o DJ Hardwell. Voltado para o progressive e o electro house, o holandês de 28 anos subiu rapidamente na lista Top 100 DJ, da revista “DJ Mag”. Em 2010, já era o 24º colocado. Foi para sexta posição no ano seguinte e, em 2013 e 2014, chegou ao topo.