Se os rumos da vida de Machamba, personagem que dá nome ao livro da escritora mineira Gisele Mirabai, foram mudados por um episódio fatídico, a trajetória da obra segue o caminho contrário. Publicada inicialmente como e-book, “Machamba”, que ganha lançamento nesta quarta-feira (5) em Belo Horizonte, conquistou o Prêmio Kindle de Literatura de 2016, chancela que o levou a ser publicado pela editora Nova Fronteira. 

Mas, até que a obra chegasse à versão impressa foram alguns percalços. Mirabai, que começou a produção do livro em uma oficina ministrada pelo escritor Marcelino Freire, em São Paulo, teve a confiança inicial abalada pelas primeiras respostas negativas das editoras procuradas. A escritora desanimou, mas não desistiu: no ano passado, publicou “Machamba” de forma independente.
 
A aposta deu certo e, meses depois, a mineira foi consagrada a vencedora da competição. Hoje, ela colhe os louros da tentativa e lança em versão física o primeiro romance. “Eu já tinha dois livros infantojuvenis e um livro de viagens de não-ficção. Mas estava com muita vontade de escrever um livro de ficção sobre viagens”, confessa Mirabai. 

A obra conta a trajetória da protagonista Machamba em diferentes países, em busca de autoconhecimento. Este é o ponto de partida para diversos atravessamentos da história, em que entram questões como machismo, racismo e protagonismo feminino, este último, um desejo particular da autora.

Autopublicação

Apesar da insegurança que pode acompanhar a publicação independente, Mirabai garante que essa é uma alternativa válida. “É um caminho excelente, você tem um contato maior com o leitor”, garante. Ela dá algumas dicas para outros escritores que pretendem seguir o mesmo caminho: “É bom fazer uma revisão cuidadosa e mostrar a obra para possíveis leitores-alvo, já que você não conta com uma editora”. 

“A autopublicação não é uma substituição ao processo das editoras, é um complemento”, garante Ricardo Garrido, gerente geral de conteúdo do Kindle e membro da equipe do prêmio que consagrou Mirabai.“Ela ajuda esses livros a serem lançados e também auxilia as editoras a encontrarem novos talentos”.
 
Outra tática que deu muito certo para o acesso à obra foi disponibilizá-la, promocionalmente, no site da Amazon, nos dias iniciais de publicação. Assim, o livro foi rapidamente baixado por várias pessoas, que leram e deixaram resenhas. Para Garrido, esta foi uma estratégia válida que ajudou a alavancar o sucesso do livro na plataforma. 

Assim, no primeiro teste, “Machamba” já parecia ter passado. A segunda prova vencida foi o prêmio citado, um reconhecimento importante para qualquer autora. Mirabai assume que se inscreveu confiante, sabendo que a obra tinha uma chance de ganhar. Assim, seguir a própria intuição parece ser mais uma dica para escritores que estão na labuta.

2º Prêmio Kindle de Literatura

As inscrições para a nova edição do concurso começam em agosto e duram três meses. Em relação a 2016, além do prazo estendido, o prêmio também está maior – o autor da obra vencedora recebe R$ 30 mil, além da publicação do livro pela editora Nova Fronteira. 
 
Serviço:
Gisele Murabai lança “Machamba” na Livraria Quixote (rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi), na quarta-feira (5) às 19h.