Um passeio por gêneros narrativos e pelos limites entre a ficção e a realidade. Essa é a proposta da escritora paulista Noemi Jaffe no livro “Não Está mais Aqui Quem Falou” (Cia das Letras), que ela lança hoje, às 19h30, no Sempre Um Papo.

Debruçando-se na origem das palavras – tema presente em outros trabalhos da autora, como “A Verdadeira História do Alfabeto” e “Írisz: As Orquídeas” – Jaffe conta a obra surgiu da vontade de misturar os formatos. “Quis questionar os gêneros narrativos. Tenho muito isso de não gostar dessa divisão tão clara, então eu quis fazer um livro que apresentasse vários gêneros. Tem texto que é uma frase, tem poesia, tem ensaios”, explica.

Além da variedade de formatos, a autora também brinca com a ficção e a realidade, tornando o limite entre ambas praticamente invisível. “Em um dos textos, falo sobre o encontro entre o Dorival Caymmi e o Albert Einstein. Uma parte dos contos é verdadeira, o Einstein era mesmo violinista, o Dorival viveu na Europa na mesma época que ele. Aquilo era algo que poderia ter acontecido”, exemplifica. “Deixo uma margem para o leitor se perguntar se é ficção ou não”, adianta a autora.

A decisão de brincar com esses limites vem da noção de real compreendida pela escritora. “Algumas vezes não sabemos se algo é realidade ou não. Tudo é versão. A mesma coisa que você vive, eu vivo de outra maneira”, teoriza. “A literatura é mais uma versão da realidade. Embora ela crie novas coisas, ela também é real no momento em que cria um novo mundo”.

Jaffe divide a noite com o escritor paulista João Anzanello Carrascoza. No evento, ele fala sobre a “Trilogia do Adeus” (Alfaguara) e relança o livro “O Volume do Silêncio” (Sesi – SP Editora).

Serviço: Sempre um Papo com Naomi Jaffe e João Anzanello Carrascoza, hoje, às 19h30, no auditório da Cemig (Rua Alvarenga Peixoto, 1220 – Santo Agostinho ). Entrada gratuita.