“É sempre uma única vez e é sempre a primeira vez”. Assim a bailarina e coreógrafa mineira Dudude Herrman define o espetáculo que apresenta ao lado do músico e compositor Renato Motha. “Entre a Pausa e o Silêncio Existe um Lugar”, ocupa, de hoje a segunda-feira, o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). 

Um dos principais nomes da pesquisa em improvisação na dança no país, a artista mineira, leva justamente essa linguagem para o palco. “O ao vivo é realmente ao vivo, com todas as nossas agruras e alegrias, que vão se desvelando no espaço”, explica. “Improvisar é essa ação de desapego, ali você está contando com todo seu repertório, seus modos de viver, com o seu discurso de vida”, acrescenta.

Construindo o espetáculo diante do público, a artista reforça a potência do caráter único da produção. “As pessoas costumam dizer que é o mesmo trabalho, mas não existe um dia em que o céu esteja igual, por exemplo. Ele pode estar parecido, mas se você olhar a configuração das nuvens, o brilho, tudo depende de vários fatores. Na improvisação é o mesmo. Tudo depende dos humores dos artistas, da platéia, dos traçados que vão se dando na cumplicidade de fazer junto”, pontua.

A cumplicidade, inclusive, é um dos fatores reforçados no espetáculo, já que a produção celebra os 20 anos de parceria entre Dudude e Motha. “É um trabalho totalmente ligado ao nosso amadurecimento e à essa maturidade que a gente vem tecendo dentro desse nosso encontro”, diz. “Nossa parceria tem um espaço na liberdade da expressão, porque ele é músico, compositor e eu sou artista de dança e professora de improvisação” ressalta. 

Apesar de ser fruto do trabalho de dois artistas mineiros, essa é a primeira vez que a dupla apresenta a obra em um teatro na cidade durante as duas décadas de parceria. “Isso é muito bom. Sempre vou a São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília. Mas agora BH será o palco”, celebra. 

O lugar da criação

A escolha do título não é por acaso. “Tem muito a ver com esse lugar que estamos na vida hoje, com essa liberdade de construir e expressar o silêncio para que a imagem ganhe volume e para que ela possa tocar o espectador”, afirma.

Serviço: “Entre a pausa e o silêncio existe um lugar”, de hoje a segunda-feira, às 19h no CCBB-BH (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários). R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia)