Uma verdadeira instituição literária brasileira (apesar das por vezes tediosas discussões sobre “o que é literatura”) , o cordel é uma fonte muito particular de narração, com um extenso lastro no Brasil – já sua invenção remonta ao Renascimento, com a impressão de relatos orais feitos pelos trovadores medievais.

Uma de suas características mais simpáticas é a multiplicidade temática, que incluem fatos do cotidiano, episódios históricos, lendas, temas religiosos, entre muitos outros. Ou seja: tem um propósito bastante aproximado com o jornalismo, com a prestação de serviços, com os acontecimentos factuais e “quentes”.

Essa abordagem chama bastante a atenção em “A Literatura de Cordel, as Histórias e Invencionices do Professor Ibiapina” (Ed. Caraminholas), de José Dias Ibipina. O autor do livro, que será lançado em Belo Horizonte neste sábado, às 11h na Livraria Scriptum (Rua Fernandes Tourinho, 99–Savassi), além de cordelista, é médico pediatra, informação que de alguma forma justifica as inspirações em sua criação literária.“Como professor por mais de 30 anos, sempre aproveitei minha facilidade com a literatura de cordel para ajudar no ensino, pois na minha opinião, a rima ajuda a ensinar. E como cearense, desde criança gosto de literatura de cordel”, revela o autor.

Nascido em Sobral, interior nordestino, mas radicado em Minas Gerais, Ibiapina mantem acesa a chama dessa tradição, muitas vezes identificada com sua região de nascença, mas que hoje é reconhecida em todo o país. “Autores renomados como Ariano Suassuna contribuíram demais para essa grande aceitação e a própria novela ‘Cordel Encantado’ chegou às casas dos brasileiros e conquistou um grande público”, lembra Ibiapina.

Assim ele segue dando asas à sua imaginação de sertanejo, e recheia a obra com deliciosos e sagazes cordéis que, por vezes, focam em doenças, com tom informativo e profissional, em uma obra que chama a atenção também pela bela edição. “O editor Leonardo Oliveira e o ilustrador Marcus Pedro produziram um trabalho belíssimo. Eles fizeram cada causo, cada cordel e cada invencionice ter uma motivação ainda maior para o leitor”, revela.