"É um pedido por ar, um grito de esperança”. Assim atriz Neise Neves, co-fundadora da Cia Pierrot Lunar, define o espetáculo “Um Pouco de Ar, Por Favor”, que a trupe estreia sábado no Centro Cultural Banco do Brasil de Belo Horizonte (CCBB-BH).

Tendo como primeira inspiração a obra “Coming Up For Air”, do escritor inglês George Orwell, a peça discute as opressões diárias, a desesperança e as inseguranças diante do futuro. “Queríamos falar dessa falta de ar que estamos vivendo, desses tempos difíceis e como isso de alguma forma reflete em cada um de nós”, explica Neves. “Essa opressão do dia-a-dia, de querer ser alguém e se colocar como alguém, de pagar as contas, de ter que assumir uma questão, seja de cunho profissional seja de cunho afetivo, que nos deixa sufocado, nos asfixia”, completa a atriz.

A montagem também reflete sobre o próprio fazer teatral e o papel da arte. “Em alguns momentos represento a minha personagem, em outros sou a Neise. A gente expõe o nosso processo, o porquê de falar de determinado assunto, e concluímos que o teatro tem uma importância, uma capacidade de transformar e de sensibilizar o espectador”, diz.

À frente do espetáculo, o diretor Chico Pelúcio destaca a relevância da reflexão proposta pelo espetáculo em relação ao momento vivido pelo país. “Estamos passando por um período em que tudo está muito radicalizado, sem diálogo, as redes sociais tornam as discussões muito superficiais. O que fazemos é pensar o ser humano no meio desse contexto”, pontua.

Para trazer esse pensamento, a peça é construída a partir de personagens de diferentes épocas – um homem de 1938, uma mulher da década de 1980 e uma representante dos tempos atuais. “Nessa relação entre a realidade de diferentes épocas, a gente descobre que essa falta de ar é uma coisa presente na história da humanidade e que precisamos achar caminhos para superá-la”, pontua o diretor.

Além das reflexões propostas, a montagem também celebra os 25 anos da Companhia Pierrot Lunar. “É uma grande homenagem à resistência, à nossa capacidade de fazer teatro”, sublinha atriz. Para a comemoração, a companhia traz figuras significativas de sua trajetória. “Temos no palco a Jussara Fernandino, atriz que se formou conosco na Escola de Teatro da Fundação Clóvis Salgado, deu o nome da companhia e agora retorna após 25 anos”, conta Neves.

A atriz também destaca Pelúcio como figura fundamental nessa trajetória. “O Chico Pelúcio foi nosso professor. Além de tudo que ele representa como artista, ele também é recebido pela história que tem conosco”, diz.

Serviço: “Um Pouco de Ar, Por Favor” de sábado a 7 de maio, no CBBB-BH (Praça da Liberdade, 450 – Funcionários), às 19h. Ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)