A negritude e suas questões continuam sendo colocas em cena no projeto “Segunda Preta”, que desde o último dia 11, ocupa o Teatro Espanca. Hoje, o local recebe as peças “Ama”, da Cia Espaço Preto, e “Sem Dono”, de Will Soares. A programação, que tem entradas a preços populares, se estende até 16 de outubro.

Chegando à sua terceira temporada, o projeto surgiu do desejo de artistas negros apresentaram suas produções e criarem um espaço para trocas e experimentações. “A ‘Segunda Preta’ nasce também de uma demanda, que é histórica, de falta de representatividade não só nas artes cênicas, mas também em outros lugares”, explica Tatiana Carvalho Costa, uma das integrantes do projeto.

Ela destaca ainda a importância da iniciativa como um ambiente que vai além do palco. “O projeto é também um espaço de amadurecimento dos processos criativos. Os artistas não vão apenas para se apresentarem e esperarem pelo aplauso. Existe também a discussão, a troca com outros artistas e com a platéia”, ressalta

Comemorando a força da cena de Belo Horizonte, Soares ressalta a relevância da identificação das produções como negras. “O teatro negro é teatro, mas é preciso que a gente afirme que se trata de uma arte negra para chamar atenção para esse lugar”, aponta.

Novidade

Na programação, os olhos também se voltam para o público infantil, que acompanha no dia 8 de outubro, um espetáculo infantil no Parque Municipal “É uma oportunidade de apresentar para as crianças outras histórias que não sejam centradas em personagens brancas”, diz Carvalho. “A apresentação é baseada no conto africano da Princesa Abena. É muito lindo presentear crianças negras com o acesso a coisas com as quais elas se identificam”, avalia.

Serviço: 3ª Temporada do projeto Segunda Preta, toda segunda-feira até 16 de outubro, às 20h no Teatro Espanca (rua Aarão Reis, 542 – Centro) e domingo, 8 outubro, às 10h, no Parque Municipal Américo Renné Giannetti (Av. Afonso Pena, s/n - Centro. Ingressos: R$ 10 (inteira). Veja a programação completa no: www. segundapreta.com