Um vaso chinês de porcelana do século XVIII criado para o imperador Qianlong e esquecido em um sótão durante décadas, foi vendido nesta terça-feira (12) em Paris em um leilão por 16,2 milhões de euros (19,1 milhões de dólares), informou a Sotheby's.

A venda da peça, adquirida por um jovem comprador chinês presente na sala, constitui um "recorde absoluto para uma obra vendida na Sotheby's Paris desde a abertura do mercado às casas de leilões estrangeiras e um recorde para uma porcelana chinesa vendida na França", informou a empresa.  

Avaliado entre 500.000 e 700.000 euros, o vaso se encontra em perfeito estado de conservação e apresenta detalhes policromáticos. Sob a base está uma "marca do reino" de seis caracteres.

"Este vaso é o único que conhecemos no mundo com estes detalhes. É uma grande obra de arte, é como se descobríssemos um Caravaggio", afirmou Olivier Valmier, especialista em arte asiática.

Transportado para a Sotheby's em uma simples caixa de sapatos, o vaso teria sido adquirido na França no fim do século XIX e "conservado" com outras peças chinesas no sótao da casa de uma família pouco interessada na peça.

Apenas quatro vasos com este tipo de paisagem foram documentados na produção das oficinas imperiais. 

As peças imperiais do período Qianlong (1735-1796) são especialmente procuradas. Uma tigela de porcelana foi vendida por 30,4 milhões de dólares em abril na Sotheby's Hong Kong.

Um selo imperial da mesma época estabeleceu um recorde mundial ao ser vendido por 21 milhões de euros em dezembro de 2016 em Paris.