A lista dos adversários do Sada Cruzeiro no turno da fase classificação da Superliga Masculina de Vôlei se aproxima do fim e o máximo que algum deles conseguiu foi tirar um ponto da equipe celeste – o Sesi, que decidiu com o time estrelado três decisões da competição, levou a partida em casa para o tie-break, em que acabou superado. Numa temporada que tem sido marcada por resultados surpreendentes e pelo alto nível técnico, no entanto, o perigo está à espreita a cada rodada.

Pois hoje, na décima, não só estará do outro lado da quadra um time cotado para brigar pelo título, como o confronto das 19h30 no Poliesportivo do Riacho, em Contagem (o Sportv transmite), marcará um reencontro especial. Acostumada a comemorar os pontos marcados com os voos implacáveis do oposto Wallace, a torcida azul desta vez verá o ídolo do outro lado da quadra, com a camisa do Taubaté. Lógico que a recepção será carinhosa, o campeão olímpico encontrará vários rostos conhecidos nas arquibancadas, mas o público estará torcendo desta vez pelo companheiro de posição (e de Seleção Brasileira) Evandro, que veio justamente para ocupar o posto deixado pelo ex-camisa 8 celeste.

E é bom mesmo ficar de olho, já que o paulista de São Bernardo do Campo está mais decisivo e eficiente do que nunca. Não por acaso, domina a estatística de ataque da Superliga, com 40,47% de aproveitamento (o cubano Leal, em quinto, com 35,77%, é o melhor representante do Cruzeiro). É bem verdade, no entanto, que o conjunto sempre foi um dos pontos fortes da equipe comandada por Marcelo Méndez, o que tirava de Wallace boa parte da pressão de decidir com as bolas de segurança. Tanto assim que, se até essa rodada o jogador do Taubaté marcou 170 pontos, Evandro soma 83, o que de forma alguma é sinônimo de diferença técnica entre os dois. Apenas que o número de opções para o levantador William tem sido maior.

Wallace, aliás, não é o único a se reencontrar com o ex-clube. O central Éder Carbonera, que vestiu azul nas últimas três temporadas, também está hoje no Taubaté. O que faz com que o agora adversário William preveja um jogão. "São boas as nossas lembranças, são dois jogadores excelentes, mas é hora de jogar contra, de ver como eles vão se sair. Espero que a gente encontre a melhor maneira de parar os dois e os outros bons jogadores que eles têm do lado de lá", comenta o "Mago".

Feito

Se alguém poderia achar que os sete títulos mineiros, os três mundiais e as quatro Superligas tirariam o apetite da mais vitoriosa equipe do vôlei masculino na década, jogadores e comissão técnica tratam de criar novas metas, sempre respeitando quem venha pela frente. Desta vez, a missão é conseguir fechar o turno de forma invicta, o que não foi o caso nas quatro campanhas vitoriosas.

Também hoje, mais cedo (13h), o Juiz de Fora, sexto colocado, encara uma prova de fogo em seu ginásio – recebe o Sesi, de Bruno, Serginho, Théo e Lucão. Quarto colocado, o Montes Claros entra em quadra apenas amanhã, contra o Caramuru, na cidade paranaense de Castro.