Não poderia haver presente melhor para o dia em que o Coelho completou 106 anos. Se antes da bola rolar houve festa, cerveja para a torcida e show de fogos no Independência, a comemoração só ficaria completa com um resultado positivo em campo. E ele veio, com gosto de façanha inédita. Pela primeira vez em jogos válidos pela Série A do Brasileiro, o América superou o Vitória: 2 a 1. Um resultado que leva os mineiros aos seis pontos e a uma surpreendente, mas merecida terceira posição na classificação.

E a exemplo do que havia feito na estreia, diante do Sport, o América começou arrasador, encurralando o adversário e levando perigo desde que a bola rolou. No melhor estilo da 'lei do ex', coube a um jogador revelado pelo rubro-negro baiano, Marquinhos, abrir o placar aos 7 minutos, aproveitando-se de falha de posicionamento da defesa em levantamento na área.

Com jogadores de velocidade no ataque, mas uma correria pouco produtiva, o Vitória partiu em busca do empate, enquanto o Coelho recuava. E um chute de Rhayner, aos 20 minutos, foi a primeira boa oportunidade dos baianos, defendida por Jori.
Mas a precisão do aniversariante do dia foi cirúrgica: tão logo retomou as investidas na intermediária adversária, o América ampliou. Depois de um chute de Marquinhos que Caíque afastou bem, Serginho cruzou da direita e Rafael Moura, no melhor estilo do He-Man, marcou o segundo.

E mesmo com a acomodação natural do placar, o terceiro poderia ter saído na terceira etapa, especialmente nas jogadas de bola parada. Vágner Mancini tentou deixar o Leão ainda mais ofensivo com a entrada de Wallyson, ex-Cruzeiro, e o atacante acertou o travessão do goleiro da casa. Aos 30 minutos, na cobrança da falta que levou à expulsão do estreante Leandro Donizete, não teve jeito. O baixinho Pedro Botelho (ex-Atlético) encontrou espaço no meio da defesa para cabecear. Mas foi manter a posse de bola, a tranquilidade e completar a festa. No sábado, o desafio volta a ser longe de casa, contra o Vasco, em São Januário, às 19h.

América 2 x 1 Vitória

América

Jori; Norberto, Rafael Lima, Messias e Carlinhos; Leandro Donizete, Juninho, Serginho e Marquinhos (Zé Ricardo); Aylon (Luan) e Rafael Moura (Gérson Magrão)
Técnico: Enderson Moreira

Vitória

Caíque; José Welisson, Kanu, Ramon e Pedro Botelho; William Farias (Walisson), Uillian Correia, Yago e Rhayner (Lucas Fernandes); Denílson e Neílton (Guilherme)
Técnico: Vágner Mancini

Gols: Marquinhos, aos sete minutos e Rafael Moura, aos 35 do primeiro tempo

Arbitragem: Vinícius Furlan, auxiliado por Danilo Ricardo Simon Manis e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (trio de SP)

Cartões amarelos: Leandro Donizete, Carlinhos

Cartão vermelho: Leandro Donizete