Ano novo, carro novo, certo? Nem sempre quando o assunto são as categorias internacionais que compõem o caminho rumo à Fórmula 1. Até mesmo para conter os custos, cada geração costuma ser trocada depois de três anos, sempre procurando aproximar o desempenho e a tecnologia daquilo que é feito no topo da pirâmide.

Por este aspecto, sorte do mineiro Sérgio Sette Câmara, que faz este ano sua segunda temporada na Fórmula 2, consolidando-se como principal aposta verde e amarela para voltar a ter representação no circo.

Depois de um ano de aprendizado ainda com o Dallara da geração anterior, que valeu uma vitória e outros dois pódios pelo time holandês MP Motorsport, ele comandará este ano o GP18 da escuderia britânica Carlin, hoje presente inclusive na Fórmula Indy e que será o Junior Team da McLaren na F-2.

Aliás, já comandou, numa sessão de familiarização feita pela categoria no circuito francês de Magny-Cours, e marcada pelas condições climáticas distantes do ideal – nevou forte até a manhã dos testes. Além disso, como cada uma das 10 equipes só recebeu um carro, foi necessário dividi-lo com o companheiro Lando Norris, considerado o mais novo prodígio do automobilismo britânico.

"Óculos"

Foram apenas 20 voltas, na parte da tarde, mas suficientes para lhe dar a segunda marca do dia, atrás apenas do italiano Luca Ghiotto, que fará seu terceiro ano na categoria. Mais importantes do que o resultado foram as sensações positivas no primeiro contato com uma máquina bastante evoluída em relação à anterior. O motor Mecachrome V8 4.0 aspirado deu lugar a um V6 3.4 turbo – mais doque a potência extra, estimada em 15 cavalos (agora são cerca de 620), muda a forma da entrega da cavalaria às rodas traseiras.

Além disso, o novo Dallara permite várias regulagens que o antecessor não permitia, a ponto de Serginho comparar o volante ao da Toro Rosso que pilotou num teste em 2016. E traz pela primeira vez o Halo, dispositivo de proteção que vem dividindo opiniões mas que, para o piloto de 19 anos, não atrapalhou.
“Achei o carro extremamente veloz, a força na hora que entra o turbo é impressionante. Nas arrancadas a diferença é brutal. O Halo, na minha impressão foi como se estivesse usando um óculos. Na hora que você sai do box incomoda um pouco, mas, logo em seguida já se torna natural”.

 

RÁPIDAS

IPATINGUENSE IGOR FRAGA VOLTA A

FAZER BONITO E VENCE NA F-4 NACAM

De volta à disputa da F-4 Nacam (América do Norte e Caribe), o mineiro Igor Fraga mostrou mais uma vez sua força e retornou ao alto do pódio, na rodada tripla disputada no Autódromo Miguel Abed, em Puebla, no México. Mesmo em seu primeiro contato com o traçado, ele abriu o fim de semana com um segundo lugar; se encaminhava para dominar a corrida seguinte até que um problema de pressão de combustível o fez receber a bandeirada em sétimo e, na prova que encerrou o evento, não deu chance aos adversários, para chegar ao terceiro triunfo na categoria. Igor foi campeão brasileiro de F-3 na classe Academy em 2017 e causou ótima impressão em testes nos Estados Unidos.

RODADA DUPLA ABRE O MINEIRO DE KART

EM TEMPORADA COM PRÊMIO ESPECIAL

O sábado marca o início do Mineiro de Kart, com a primeira das cinco rodadas duplas previstas para o Kartódromo RBC Racing, em Vespasiano (entrada franca). Além da promessa de bons pegas nas categorias Mirim, Cadete, Júnior Menor, F-400, Sprinter, Sênior, Super Sênior e Indoor (karts de aluguel), uma atração especial será a briga pelas três vagas de representantes do estado nas novas categorias do Campeonato Brasileiro: OK, OK Júnior e Codasur, com todas as despesas pagas e a chance de lutar pela participação no Mundial, também sem custos. Neste ano, a participação de pilotos de outros estados deve ser expressiva, em preparação para a Copa Brasil, que reunirá os melhores do país em outubro.