O Atlético foi responsável por uma das ações solidárias que mais repercutiram em 2016 em torno da tragédia aérea da Chapecoense. A diretoria do Galo se recusou a enfrentar os catarinenses na 38ª e última rodada do Brasileirão 2017, por entender não haver motivo para um confronto esportivo com um clube vitimado. Seis meses depois, o alvinegro se prepara para retornar a Chapecó, mas mandará, novamente, força "mínima".

Chape e Galo fizeram um W.O. duplo na última rodada do Brasileirão passado, e, pelo contexto, não foram punidos pela CBF. Ambos, porém, foram declarados perdedores da partida. O alvinegro teve a primeira oportunidade de visitar a Arena Condá após o acidente em 1º de março, pela segunda rodada da Primeira Liga. Mas por tratar a competição como "Ninguém Liga", os mineiros foram como time reserva no empate em 2 a 2.

Agora, por conta da sequência de jogos decisivos (Botafogo - Copa do Brasil, Cruzeiro - Brasileirão e Jorge Wilstermann - Libertadores), Roger Machado resolveu descansar os titulares novamente diante da Chapecoense. Mesmo que esteja mal das pernas no Brasileiro, com apenas 10 pontos conquistados em 9 rodadas. 

Em março, o Atlético foi com a seguinte escalação: Uilson; Carlos César, Felipe Santana, Jesiel e Leonan; Yago e Ralph, Clayton, Carlos Eduardo e Cazares; Rafael Moura. Destes, só o lateral Leonan, o volante Ralph e He-Man voltarão ao oeste catarinense. 

Uilson, Carlos César e Jesiel estão lesionados. Felipe Santana e Cazares, poupados. Ralph levou o terceiro cartão amarelo e Carlos Eduardo e Clayton deixaram o clube, um de forma definitiva e o outro emprestado ao Corinthians. 

O provável time do Galo para domingo: Giovanni; Yago (Emanuel), Matheus Mancini, Rodrigão e Leonan; Roger Bernardo e Rafael Carioca; Luan, Valdívia e Otero; Rafael Moura.