SÓCHI (Rússia) – Enquanto o calor expulsa os hóspedes dos quartos em direção à piscina em frente ao Mar Negro, o lobby é preenchido pela música “Mais que nada”. No bar, uma garrafa da cachaça “51” divide espaço com os destilados locais. Esses são dois dos indícios de que aquele hotel não é apenas mais um na cidade turística de Sóchi, litoral sul da Rússia. 

Com a frase “orgulhoso anfitrião da Seleção Brasileira” estampada na entrada, o resort cinco estrelas Swissotel Kamelia já recebe Neymar e companhia em busca da sexta estrela na Copa do Mundo da Fifa. Depois de vencer a Áustria no último amistoso preparatório para o Mundial, na tarde deste domingo (19), a delegação canarinho rumou direto para o local onde ficará instalada durante o Mundial e chegou por volta das 21h, já durante a madrugada no horário local. 

Os convocados pelo técnico Tite treinarão no Estádio Slava Metreveli, anexo ao hotel escolhido pela comissão técnica da CBF para a estadia. Fundado há dez anos, o luxuoso espaço é até o momento a única referência à presença do time canarinho em Sóchi.

Com população de aproximadamente 500 mil pessoas, a sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 vive seu verão intenso, mas um clima frio em termos de futebol e Copa do Mundo. Os banners espalhados pela cidade ainda dividem espaço com o orgulho de quatro anos atrás, quando ela esteve no centro das atenções dos esportes no gelo. E um dos cartazes da Fifa convidando os russos a celebrarem o maior evento de futebol do mundo traz a imagem da torcida Argentina em 2014 no Brasil.

O espaço que mais respira futebol em Sóchi se encontra a 27 quilômetros do recinto verde e amarele da cidade. É o Parque Olímpico, onde estão concentrados o Fisht Stadium, algumas arenas de esportes de inverno e a pista de Fórmula 1 do GP da Rússia. 

Sóchi virou o “quintal” do presidente russo Vladimir Putin e recebeu investimentos governamentais na casa dos bilhões de euros. É “a” cidade esportiva da terra de Lênin e será a nova casa do time que mais venceu o Mundial de futebol. Mas lida com tudo isso de forma tipicamente russa: sem empolgação.

SEGURANÇA

Com uma das alas completamente reservada para os jogadores e a comissão técnica da Seleção Brasileira, o hotel de Sóchi passou por diversos procedimentos de segurança protocolares da Fifa no último sábado (9), com direito a rondas de cães farejadores. 

O resort, contudo, segue recebendo hóspedes comuns nas demais instalações. Semi-fechado, portanto, se mostrou um espaço bastante acessível para curiosos, jornalistas e torcedores.

Foi possível, por exemplo, acessar algumas áreas de convivência no local, sendo preciso apenas passar por uma máquina de “raio-x” que escaneava apenas conteúdo de bolsas e mochilas.