Metade do caminho do hexagonal decisivo do Mineiro do Módulo II já ficou para trás. E o returno começa com um imperativo para quem ainda pensa em tirar, de Patrocinense e Betinense, atuais líder e vice, as vagas na elite em 2017. Os dois, alías, entram em campo na rodada longe de casa, mas com boas chances de confirmar a posição.

A Águia do Triângulo encara amanhã o lanterna Tupynambás, às 16h, no Radialista Mário Helênio, em Juiz de Fora, apostando  na força dos atacantes Quilder e Mário César que, juntos, balançaram as redes 11 vezes na competição. Outra atração da equipe comandada por Rogério Henrique é a presença, no grupo, do volante sul-coreano Jaewook Kim, que dá um toque internacional à competição. Sem pontuar, apesar de bater na trave em vários jogos, levando gols nos últimos minutos, o time da Zona da Mata joga principalmente pela honra, depois da boa campanha na primeira fase (foi o segundo da Chave A).

E se a Patrocinense busca retornar ao Módulo I, depois de um período de inatividade, o para o Betinense o acesso seria um feito inédito – a equipe se profissionalizou apenas em 2014. Atualmente mandando suas partidas na Arena do Calçado, em Nova Serrana, o time das cores amarelo e preto encara, também amanhã, às 18h30, o Uberaba, no Uberabão.

No grupo treinando por Gilberto Carlos o nome mais conhecido é o de Luisinho, revelado como lateral-direito com passagem destacada pelo Ipatinga, que o levou a defender ainda Cruzeiro, Flamengo e Santos, entre outros. Com apenas quatro pontos, o Zebu mantém remotas chances matemáticas, mas não depende só das próprias forças. E precisa obrigatoriamente dos três pontos para continuar sonhando.

No confronto de domingo entre Nacional de Muriaé e Boa, às 10h, no Soares de Azevedo, tanto quanto a briga direta pela terceira posição e a perseguição aos dois primeiros, o que chama a atenção é a ausência do goleiro Bruno, que disputou as cinco primeiras rodadas do hexagonal  pela equipe boveta, mas teve cassado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) o habeas corpus que havia sido concedido pelo ministro Marco Aurélio Melo – foi condenado pelo sequestro e morte da amante Eliza Samúdio, em 2010. A tendência é de que o técnico Julinho Camargo volte a escalar Luan, que atuou na primeira fase, para a posição.