O Cruzeiro ainda deve o Huracán-ARG pela compra do atacante Ramón Ábila, e o clube argentino, por não receber aproximadamente US$ 1,5 milhão – valor da segunda parcela do acordo -  acionou à Fifa para receber a quantia. A situação irritou o presidente Gilvan de Pinho Tavares, que como estratégia de retaliação fará o presidente do El Globo, Alejandro Nadur, “esperar” pelo pagamento.

“Eu vejo como falta de habilidade do clube (o Huracán). Estávamos negociando, pagando, e ele (Alejandro Nadur, presidente do Huracán) tratando como se a gente não merecesse respeito. Ele disse que levaria para a Fifa e eu falei para levar. Como ele fez raiva na gente, vamos fazer ele esperar”, disse o presidente da Raposa.

Jogador que tem feito gols importantes para o Cruzeiro em 2017, Ábila é o artilheiro do clube com 14 gols na temporada. Pelo status de “matador” do atacante, Gilvan de Pinho Tavares não espera vender o argentino tão cedo. 

“Quanto mais gol ele fizer, mais alto será esse preço. Ele vai fazer mais gols e estará valendo mais. É um jogador que está sendo monitorado por outros clubes, mas acho difícil a saída dele a não ser que seja uma oferta irrecusável. Se não for um valor muito elevado, ele não sai. Precisamos dos gols dele no Cruzeiro”, disse.

Recentemente, jornalistas mexicanos chegaram a citar que o destino de Ábila, pela dívida do Cruzeiro com a Fifa, poderia ser o Tigres-MEX, ex-equipe, inclusive, de Rafael Sóbis. 

O Cruzeiro detém metade dos direitos econômicos de Ramón Ábila e pelos 50% do jogador pagou US$ 2,7 milhões, de um montante de US$ 4,2 milhões.