Um pequeno gigante no bairro do Horto protagonizou uma discussão que colocou dois primos em lados ainda mais opostos. Hoje, são dois políticos que tomaram a frente na rivalidade do Independência, conduzida por Atlético e América. A relação dos dois mais antigos clubes da capital ganhou fortes capítulos fora de campo, nos últimos quatro anos, todos envolvendo o Estádio Independência.

Neste domingo (13), a arena será palco de mais um capítulo da batalha entre alvinegros e alviverdes. Dessa vez, dentro das quatro linhas. Galo e Coelho se enfrentam no palco da discordância pela sétima rodada do Campeonato Mineiro, às 16h.

Em 2012, de forma surpreendente, o Atlético virou parceiro comercial da BWA Arena, empresa vencedora da licitação aberta pelo Governo para administração do Independência. Virou um inquilino sem o consentimento do dono. O América, proprietário, havia cedido o estádio ao governo estadual, que fez a reforma. O ex-presidente Alexandre Kalil, então presidente do Galo, até hoje celebra o acordo.

“É o melhor negócio que se tem em BH hoje. Você tem a renda e metade do direito comercial do estádio. Ninguém propôs nada parecido com nenhum clube em Minas Gerais”, disse Kalil, à Rede Minas.

Na época, o primo Marcus Salum, ex-mandatário do Coelho, não gostou muito da atitude do Galo. Posteriormente, aceitou o contrato entre Galo e BWA, depois que a Advocacia Geral de Minas reformulou o contrato entre as partes, deixando claro que o clube alvinegro não teria participação direta na administração do estádio.

“O contrato tinha problemas que foram negociados Não me cabe falar quais são os ajustes”, disse Marcus Salum, à época. A BWA tem direto a 90% da renda bruta do Horto e a divide igualmente com o Galo. América e Governo ficam, cada um, com 5%. Aumenta ou não?"

Entre períodos pacíficos e momentos de turbulência, o Horto já foi motivo de provocação da torcida do Coelho e até imbróglio por conta da Conmebol.

Atualmente, o deputado estadual Alencar da Silveira Jr. e o vereador Daniel Nepomuceno mantêm relação baseada na política da boa vizinhança. Porém, nos encontros amigáveis entre estes atuais presidentes de América e Atlético, ainda falta um assunto pendente: a tal ampliação do Independência.

A BWA, que zela pelos interesses do principal parceiro, mantém de pé o projeto de instalar arquibancadas modulares acima do vestiário do Horto, afim de ampliar para 31 mil a capacidade do estádio.

Para o Coelho, a questão precisa passar pela aprovação do proprietário. O consórcio bate o pé e afirma não ter essa obrigação.

O Galo assiste a discussão de camarote, já que o Mineirão está liberado pelo COI para a Libertadores.
Porém, os clube terão que se unir junto à CBF. A tabela do Brasileiro irá castigar a casa dividida. Galo e Coelho têm jogos agendados em BH para 15 das 19 rodadas do primeiro turno.