Um primeiro passo para a profissionalização. É assim que o capitão do América, Luiz Koenen, classifica a edição inaugural da Liga Brasileira de Hóquei em Linha (LBH), cuja etapa de abertura será disputada neste fim de semana, na cidade de Sertãozinho (SP).

O Coelho é um dos cinco clubes que disputarão a Liga Principal, referente à Primeira Divisão do novo torneio, criado com a pretensão de se tornar o maior da modalidade no país.

Organizada pela empresa BR Hockey, a Liga será realizada de maneira paralela aos já existentes Campeonato Brasileiro, Torneio Nacional e Copa do Brasil. Essas três competições são promovidas pela CBHP (Confederação de Hóquei e Patinação), entidade vinculada à Federação Internacional de Esportes sobre Patins e ao Comitê Olímpico Brasileiro.

A Liga oferece um suporte que nunca tivemos. Por isso, o América está apostando nessa nova competição, entrando para ser o primeiro campeão, para fazer história e se manter sempre na elite”

“A Liga é independente e pretende promover o nosso esporte em grande escala no Brasil, com mais investimento em mídia e divulgação, e um nível de organização muito maior, algo nunca antes visto no país”, elogia Koenen.

Terceiro colocado na última edição do Campeonato Brasileiro, o América será um “intruso” mineiro na nova competição, na qual enfrentará quatro adversários paulistas (Concórdia, Guarani, Sertãozinho e Ibira).

A caminhada alviverde começa neste sábado (22), em rodada dupla. O primeiro desafio será às 14h, diante do Sertãozinho, e o segundo, às 16h50, contra o Ibira. O Coelho ainda voltará à quadra uma terceira vez na etapa, às 11h deste domingo, para encarar o Guarani.

Estrutura e premiação

Por mais que o esporte seja praticado de forma amadora, a criação da Liga enche os praticantes de otimismo. Além de premiações em dinheiro para o campeão e o vice (valores ainda não definidos), a organização arcará com toda a estrutura de realização das partidas e uniformes das equipes, entre outros.

A empresa também fará a transmissão online dos jogos via Youtube e negocia a veiculação das próximas etapas com um canal de televisão por assinatura.

“A Liga está oferecendo um suporte que nunca tivemos na modalidade. Por isso, o América está apostando nessa nova competição, entrando para ser o primeiro campeão, para fazer história e se manter sempre na elite”, afirma o capitão da equipe mineira.

Apesar de bons resultados nos últimos anos, o Coelho não possui patrocinador e, atualmente, tem apenas os apoios da Prefeitura de Contagem (concessão do Ginásio Califórnia para treinos) e de duas lojas da Oi Telefonia (Barro Preto e Venda Nova).

Segundo Koenen, os cerca de 30 atletas dividem todo o custeio das participações nos torneios da CBHP. Atualmente, o América tem quatro jogadores com passagens pela Seleção Brasileira: Luiz Koenen, Lucas Rodrigues, Thomas Nitch e Israel Persiano.

Time treina e recebe partidas em ginásio
disponibilizado pela Prefeitura de Contagem

Etapas em Belo Horizonte

A edição inaugural da Liga Brasileira de Hóquei terá seis etapas, sendo três em Sertãozinho, duas em Belo Horizonte e uma em local ainda não definido. Na capital mineira, os jogos serão disputados na primeira e na última semanas de agosto. A final está marcada para novembro, na sede paulista.

Simultaneamente, serão disputadas duas divisões de acesso (Conferências Norte e Sul), com 13 times. E, além disso, haverá também a Liga Feminina, com sete equipes.

“Entendemos que o desenvolvimento do esporte requer um novo modelo. Em 2018, já teremos mais duas equipes na Liga Principal, e assim por diante. Viemos para consolidar o hóquei no país e vamos buscar premiações interessantes financeiramente, para aumentar a adesão”, diz o executivo-chefe da BR Hockey, Jorge Gonçalves.

Nos próximos anos, a empresa promete, inclusive, buscar intercâmbios nos Estados Unidos e adotar práticas da NHL (a liga nacional americana), como um draft para a seleção de atletas pelas equipes.

O diretor de hóquei da CBHP, Alexandre Capelle, diz não ver a Liga como "concorrente". Por outro lado, ressalta que as competições da confederação são oficiais e oferecem participação em torneios sul-americanos e mundiais. Questionado sobre o reconhecimento dos futuros títulos da LBH, ele é sucinto: “Provavelmente, não”.