Os nadadores olímpicos Ítalo Manzine, Henrique Martins, Miguel Valente, Felipe Lima e Kaio Márcio estão entre os 38 atletas de clubes mineiros em busca da classificação para o Mundial de Esportes Aquáticos, cuja última seletiva terá início nesta terça-feira (2), no Troféu Maria Lenk de Natação.

As vagas na maior competição do calendário internacional, no entanto, nunca foram tão disputadas. Devido à crise financeira e institucional na Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), a seleção nacional terá apenas oito representantes na Hungria, em julho. Para se ter uma ideia, 25 atletas foram convocados para o Mundial de 2015, em Kazan (Rússia).

Atual vice-campeão e terceiro maior vencedor da história do Maria Lenk, o Minas Tênis Clube enviará os cinco classificados para os Jogos Olímpicos do Rio e mais 31 atletas ao torneio nacional. Já a Usipa (Ipatinga) e o Praia Clube (Uberlândia) terão um inscrito cada na competição, disputada até o sábado (6) na Cidade Maravilhosa.

“A nossa equipe, assim como toda a natação brasileira, passa por um período de reciclagem. Mas não podemos descartar a hipótese de vencer o campeonato. Vamos entrar para ganhar, e, nesse contexto, os nossos cinco nadadores olímpicos são os que têm mais chances”, diz Sérgio Marques, técnico do Minas.

Sem o patrocínio da Fiat desde fevereiro, após 35 anos de parceria, a equipe da capital mineira perdeu nomes fortes em relação ao ano passado. Especialmente Cesar Cielo, medalhista de ouro em Pequim-2008, e o agora aposentado Thiago Pereira, além dos também atletas olímpicos Nicolas Oliveira, Marcos Macêdo e Daiene Dias.

Este é o critério mais apertado de todos os tempos, então a nossa meta é ter pelo menos
um nadador entre os
oito. E, em termos de prognóstico, manter a nossa equipe no pódio”

Sérgio Marques,
técnico do Minas

Destaques

Dentre os atuais nadadores do Minas, Felipe Lima e Henrique Martins chegam com os melhores resultados da temporada, depois de terem alcançado o terceiro e quarto melhores tempos do mundo no ano, respectivamente, nos 50m borboleta e 100m peito.

Os finalistas olímpicos Etiene Medeiros, Bruno Fratus e Marcelo Chierighini, além da medalhista de bronze na maratona aquática, Poliana Okimoto, são outros destaques desta edição do Maria Lenk. Sem falar no próprio Cielo, que voltou a competir em março após um ano de inatividade e fará um novo duelo com Ítalo Manzine nos 50m livre.

Outra representante do Brasil nos Jogos Rio-2016 com presença garantida é Joanna Maranhão. Ela compete pela equipe Unisanta, de Santos (SP), mas mora em Belo Horizonte e treina no Centro Esportivo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Nova geração

Esta edição do Troféu Maria Lenk serve também como seletiva para o Mundial Júnior de Natação, marcado para agosto, em Indianápolis (Estados Unidos).

Entre as apostas de renovação na modalidade estão as minastenistas Camila Lins e Camila Lopes. Elas participaram do último Campeonato Sul-Americano Juvenil na categoria B (16 a 18 anos) e contribuíram para o título conquistado pela seleção brasileira na competição.

Camila Lins faturou dez medalhas, sendo seis de ouro, nos 200m medley e nos revezamentos 4x100m medley feminino e misto, 4x100m livre feminino e misto e 4x200m livre feminino.

Já Camila Lopes foi quatro vezes ao lugar mais alto do pódio, nos 50m e 100m costas e nos revezamentos 4x100m medley feminino e misto.

Operação Águas Claras

Patrocinadora máster da CBDA, a Empresa Brasileira de Correios manteve o apoio só até este mês de maio, justamente para não impedir a realização do Troféu Maria Lenk. No início de abril, a Polícia Federal prendeu dirigentes da entidade por suspeita de desvios de R$ 40 milhões em recursos públicos.