Um comparativo entre os elencos de Palmeiras e Cruzeiro na mesa de debates do programa “Mais 90”, do canal fechado Esporte Interativo, na última segunda-feira (12), gerou muita polêmica nas redes sociais e chegou à Toca II.

Um dos comentaristas convidados para formar a bancada do programa, ao comparar os goleiros Jaílson, do Palmeiras, e Fábio, do Cruzeiro, chamou o camisa 1 da Raposa de “gordo”. 

O vídeo do programa “+ 90” foi muito replicado nas redes sociais, e justamente por isso o goleiro Fábio foi perguntado sobre o fato em entrevista coletiva no centro de treinamento celeste nesta quinta-feira (14). 

“Acho que o cara não tem sabedoria, nem sei quem foi, mas é um sem sabedoria. Basta olhar a minha história. Imagina se eu estivesse magrinho, então. Se eu gordinho todo mundo quer. Com todo respeito ao Jaílson, que não tem nada a ver com a história, mas o Jaílson surgiu agora, estou há 20 anos no profissional e só de grandes equipes tenho mais de 15 anos como titular”, disse Fábio.

Comentarista

O responsável por chamar o goleiro Fábio de “gordo” foi Marcio Spimpolo, jornalista que trabalha na Rádio Jovem Pan, de São Paulo, e que foi convidado a participar do debate ao lado do apresentador Alex Muller, o conhecido setorista do Santos Futebol Clube, Ademir Quintino, o ex-árbitro Alfredo Loebeling, e Ricardo Martins. 

“Vamos fazer um mano a mano fictício para se ter uma ideia de como são essas equipes hoje neste comparativo”, disse Alex Muller, que repassou a pergunta aos participantes. 

“Fábio ou Jaílson?” O primeiro a responder foi Alexandre Praetzel: 

“Nossa, anos luz, Fábio”, disse.

Ricardo Martins escolheu o goleiro palmeirense: “Momento né? Bola? Jaílson”.

Ao ser perguntado, Marcio Spimpolo também optou por Jáílson, logo interpelado por Alfredo Loebeling: “Não estão vendo o Fábio jogar”.

E aí, Spimpolo não mediu críticas: “Fábio é Gordo. Sempre foi”. (veja o vídeo abaixo)

“Uma pessoa sem sabedoria e que conhece pouco de futebol. Fico triste pois o cara não sabe analisar profissionalmente, leva para o lado pessoal ou estadual. Achando que por estar em São Paulo ou Rio (de Janeiro) é melhor daquele que está em Minas (Gerais). Tem que olhar a história. Esse aí ainda vai ter oportunidade de falar bem. Para mim não muda em nada”, completou Fábio.

Ainda na opinião de Fábio, o comentarista desvalorizou o trabalho do departamento de futebol da Raposa, e ainda desmereceu à instituição Cruzeiro. 

“Isso também desmerece todo o Cruzeiro, pelo departamento que tem, fisiologistas, preparador físico, preparação de goleiro, a história de outros goleiros que passaram aqui (no Cruzeiro). Desvaloriza tudo isso por preferências de Estados. Cada um tem o seu espaço, eu não tenho que me comparar ao Jaílson, com ninguém. Sigo trabalhando respeitando todo mundo, o cara foi sem sabedoria, para não falar outro termo”, finalizou.