RIO DE JANEIRO - O rosto de Baby do Brasil estampado na camiseta da cantora Roberta Sá não poderia ser uma mensagem mais direta. Ela estava ali, no palco Sunset, entre Pepeu Gomes e Moraes Moreira, para ser a voz feminina do show que exaltou a obra dos Novos Baianos.

O repertório destacou "Acabou Chorare", disco mais importante gravado pelo ex-grupo de Pepeu e Moraes, de 1972. Foram seis músicas entre as 12 do show: "Mistério do Planeta", "A Menina Dança", "Bilhete pra Didi", "Tinindo Trincando", "Preta Pretinha" e "Brasil Pandeiro", devidamente cantadas pelo público.

O show começou com os dois veteranos. Depois Moraes deixou o amigo sozinho no palco, para que Pepeu esbanjasse sua técnica de guitarrista em uma música sua, "Raio Laser", e numa verão instrumental de "Maracatu Atômico", de Jorge Mautner e Nelson Jacobina. Nesta ele dividiu , esta os solos de guitarra com Davi Moraes (filho de seu parceiro).

Aí Moraes voltou ao palco trazendo Roberta Sá. De shortinho jeans e a tal camiseta, que deixava suas costas nuas, passou a receber elogios exacerbados do público até o final do show. E foi um grande final, com "Preta Pretinha", "Eu Também Quero Beijar", "Pombo Correio" e "Brasil Pandeiro".

Com os dois veteranos muito alegres e dispostos e Roberta esbanjando vozeirão e pernas, o show foi consagrador. O público, o mais numeroso até agora para um show às 16h no Sunset, pediu muito por um bis que as normas do festival impediram.