A queda precoce nas oitavas de final da Copa Libertadores abateu bastante o técnico Cuca, do Palmeiras. Com semblante triste, ele disse na entrevista coletiva depois da eliminação no Allianz Parque para o Barcelona, do Equador, que, por já ter tirado o máximo de rendimento possível da equipe e ainda assim caído em duas competições, entenderia se fosse demitido pela diretoria nos próximos dias.

"Como um treinador vai ser eliminado de uma Copa do Brasil com o elenco que tem, eliminado de um Libertadores com o elenco que tem e não vai ficar ameaçado? Lógico que está. A diretoria tem todo o direito de achar que pode trocar", disse Cuca. O time devolveu o placar de 1 a 0 obtido no jogo de ida, em Guayaquil, e perdeu por 5 a 4 nos pênaltis, na noite desta quarta-feira.

Cuca admitiu não ter conseguido fazer o time evoluir neste confronto de volta do mata-mata continental. "Eu não estou contente com o resultado. É o meu máximo. Não posso dar mais do que isso", afirmou o treinador, contratado em maio para reassumir o Palmeiras na vaga de Eduardo Baptista. "Quem tem que avaliar agora é o presidente, os diretores. Se teve evolução, cabe a eles olhar o que pode ser feito. Sou profissional e vou entender a decisão que for tomada", disse.

Se em entrevistas anteriores o técnico ressaltou que, apesar do investimento alto em contratações, o Palmeiras não tinha a obrigação de ganhar tudo, desta vez Cuca reconheceu a decepção. "Foi feito um investimento muito alto para o Palmeiras ganhar títulos em 2017 e por enquanto não ganhou nada", comentou. Com o apoio financeiro da Crefisa, a diretoria aplicou mais de R$ 100 milhões para reforçar o elenco.

O abatimento de Cuca, porém, não deve resultar em mudanças no clube. O presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte, garantiu que não vai fazer alterações. "Não vamos falar em mudança porque não teremos mudanças. Vamos trabalhar, no ano passado fomos campeões, no retrasado também. O (diretor de futebol) Alexandre Mattos estava aí, é um homem da minha confiança e continua no Palmeiras normalmente", disse o dirigente.

Galiotte afirmou que somente no fim do ano vai avaliar possíveis trocas. "Temos que avaliar com calma, mas isso vai ser feito no final do ano. Tem um turno inteiro de Brasileiro e vamos fazer o máximo de pontos possíveis", comentou. No próximo domingo a equipe enfrenta o Vasco, fora de casa, pela abertura do segundo turno da competição.