Numa edição de Campeonato Mineiro marcada pelas polêmicas, a Federação Mineira de Futebol (FMF), que foi envolvida em todas elas sem razão até o momento, resolveu dar motivo. Primeiro, porque elaborou um regulamento que permite dupla interpretação, coisa muito comum no Estadual nos anos 70 e 80. Depois, por estabelecer critérios diferentes dentro do próprio documento, o que abala a moralidade da competição.

Tudo isso foi provocado pela marcação da ida das semifinais entre URT e Atlético para o domingo (16), às 11h, no Mineirão, já que o time de Patos de Minas não pode jogar nos dois estádios da sua cidade.

O seu, o Zama Maciel, não tem a capacidade de público exigida (10 mil pessoas). O do rival Mamoré, Bernardo Rubinger, teve o gramado reprovado por uma empresa contratada pela FMF que fez uma vistoria na manhã desta segunda-feira (10).

O artigo 27 do regulamento do Campeonato Mineiro permite dupla interpretação. Dependendo da leitura, pode-se entender que a inversão de mando de campo é ou não permitida, o que compromete fortemente a credibilidade do torneio.

Num momento em que os clubes, liderados pelo Atlético, conseguiram incluir no regulamento da próxima Série A do Brasileirão a proibição da venda do mando de campo, algo que manchou algumas das últimas edições da competição, o Campeonato Mineiro permite a prática, com a “participação” da FMF.

“Tem uma empresa que está interessada em nos ajudar a fazer esse jogo no Mineirão. Não posso dar detalhes, mas o negócio pode ser rentável para a URT, que não teria despesas para jogar no estádio”, revela Roberto Miranda, presidente da URT.
O diretor de competições da entidade, Paulo Bracks, garante que não existe inversão de mando de campo pelo fato de o regulamento ser feito pelos clubes.

“Se os clubes, que são os responsáveis pelo campeonato, por unanimidade, querem o direito de jogar onde eles quiserem, porque seria imoral? Eles pediram para jogar no Mineirão. Nós temos o ofício da URT”, afirma Bracks.

Prova
O que não se pode negar é que a inversão de mando de campo acontecerá no confronto URT x Atlético. E o regulamento do Estadual prova isso.

‘No seu artigo 38, que trata da primeira fase, fica claro que mando de campo vai além do estádio onde o clube atua.
A cidade em que a equipe manda suas partidas na competição também é relacionada. Será que o regulamento do Campeonato Mineiro de 2017 desmente ele mesmo?

Segurança
A outra semifinal, entre América e Cruzeiro, terá a partida de ida também no Domingo de Páscoa, às 16h, no Independência.
Anteriormente, a Polícia Militar vetou dois grandes jogos de Atlético e Cruzeiro, no mesmo dia, em Belo Horizonte, por causa da possibilidade de encontro das duas torcidas em vários pontos da cidade.

“Dentro do estádio, não vejo problema. Vamos fazer uma reunião com a FMF amanhã (nesta terça-feira, 11), quando serão tomadas as decisões”, revela o Tenente-coronel Frederico, comandante do Batalhão de Choque.