Último compromisso da Seleção em 2017, o amistoso desta terça-feira, às 18h (de Brasília), contra a Inglaterra, em Wembley, tem um duplo desafio para Neymar.

Com 53 gols, ele está a dois de Romário, terceiro colocado na lista dos artilheiros gerais da equipe.
Para pelo menos igualar o Baixinho, Neymar terá de quebrar um tabu, pois nos 11 jogos do Brasil contra a Inglaterra, em Wembley, nunca um jogador marcou mais de um gol.

Aliás, a Seleção só balançou a rede inglesa mais de uma vez em duas partidas, mas sem que o mesmo jogador marcasse dois gols.

Na sua busca pelas duas marcas, Neymar, que perdeu em Wembley o ouro olímpico em 2012,diante do México, terá uma ajuda do técnico Tite. Depois de fazer vários testes nos 3 a 1 sobre o Japão, na última sexta-feira, em Lille, na França, o treinador manda a Seleção a campo hoje com sua força máxima.

E isso significa a entrada na equipe do meia Philippe Coutinho, poupado contra os japoneses e grande parceiro de Neymar.

Além da força na escalação, Tite, que na semana passada já tinha feito seu camisa 10 chorar ao exaltar seu caráter durante uma coletiva em que eles estavam lado a lado, afirmou que “Neymar é um jogador extraordinário porque faz gols e é assistente”.

Os dois lados sabem que um depende do outro para o Brasil ganhar o hexa na Rússia. O favoritismo já existe. E ficará ainda maior se Neymar e Tite brilharem hoje no tradicional Estádio de Wembley.