O primeiro dia de dezembro é o "Dia do Fico" no América. Depois de levar o Coelho ao bicampeonato da Série B do Brasileiro e de volta à elite, o técnico Enderson Moreira chegou a um acordo com a nova diretoria e permanece à frente do time em 2018. Nos últimos dias, a permanência do comandante era encarada com dúvidas, diante do interesse de outros clubes – ao longo do ano, ele chegou a ser sondado pela Chapecoense. O próprio treinador chegou a afirmar, após a conquista do título, que abriu mão de alguns aspectos para seguir no Horto.

Enderson chegou em julho de 2016 e, embora não tenha conseguido evitar o rebaixamento, levou a equipe a uma boa reta final de Brasileirão que justificou a permanência. Se a campanha no Mineiro não levou ao bicampeonato, a chega de reforços e a continuidade permitiram ao América fazer uma campanha impecável na competição nacional, superando inclusive o favorito Internacional, que contava com orçamento digno de Série A.

"Meu sentimento é de muita felicidade por dar sequência ao trabalho. No Brasil, temos um estigma de que os trabalhos são interrompidos de forma prematura. Tivemos um momento ruim em 2016, mas demos sequência e, agora, estamos em um momento bomA expectativa é por montar uma boa equipe e dar sequência ao trabalho. Temos pela frente um grande desafio de manter o América na Série A e quebrar um paradigma do que tem acontecido nos últimos anos. Vamos trabalhar bastante e tentar fazer com que as ideias sejam transformadas em algo concreto dentro de campo. Estou muito feliz pela continuidade”, destaca Enderson.

Mais longevo treinador entre os clubes das duas primeiras divisões do futebol brasileiro, Enderson dirigiu o América em 83 ocasiões, com 32 vitórias, 26 empates e 25 derrotas. Sob seu comando, o Coelho balançou as redes 81 vezes e sofreu 78 gols.