O Atlético enviou dois representantes para a Alemanha para transformar o interesse no volante Walace, ex-Grêmio, em algo concreto e inicar tratativas para comprar 100% dos direitos econômicos do jogador. O Galo está firme e esperançoso na "briga", segundo o Hoje em Dia apurou com pessoas ligadas à diretoria do clube. 

Entretanto, a paciência virou a palavra-chave neste momento das tratativas. O alvinegro ainda espera ter uma reunião com o Hamburgo, dono dos direitos econômicos e do direito federativo do jogador, mesmo que não haja a definição de data para esta conversa oficial. Isso porque o diretor de futebol da equipe alemã, Jens Todt, deixou a cidade para tratar de outros assuntos relacionados à equipe.

Assim sendo, a expectativa do staff de Walace de conseguir a liberação do jogador para um outro clube ficou adiada, sendo que nenhum dos lados trabalham com prazo, por ora. A esperança do empresário de Walace, Rogério Braun, inclusive, seria de poder tratar o futuro de Walace até mesmo com o diretor em viagem, com esperanças de ter uma resposta final até sexta-feira. Mas a situação segue em "compasso de espera".

O Galo acionou o poderoso empresário Giuliano Bertolucci para tratar do negócio, ainda enviou uma outra pessoa em nome do clube para terras alemãs. Bertolucci já deixou a Alemanha e estava a caminho de Londres, tendo deixado um "braço-direito" em Hamburgo para tentar selar a venda de Walace ao Atlético. "Tratar com tranquilidade, tempo e paciência", foi a frase utilizada por um dos personagens dessa "operação Walace".

Para tentar repatriar o volante campeão da Copa do Brasil em cima do próprio Atlético, o Galo contará com a ajuda de parceiros para arcar com as despesas da oferta. O clube mineiro estaria dispostos a arcar com uma luva de R$ 4 milhões para o jogador, que assinaria por quatro anos.