Os olhares do torcedor atleticano nesta quarta-feira (13) estavam voltados para um jogador em especial. O camisa 23 Roger Guedes, que tem proposta milionária do exterior, pode ter feito sua última partida com a camisa alvinegra, diante o Ceará. Numa virada espetacular, ele deixou o dele e ajudou na vitória por 2 a 1.

De acordo com o site Globoesporte.com, inclusive, empresários ligados ao Benfica, de Portugal, estiveram no estádio para ver de perto um dos principais jogadores do alvinegro que, com 23 pontos, vai para a pausa para a Copa do Mundo na vice-liderança Série A.

Logo a 1 minuto e 48 segundos de bola rolando, o atacante deu um giro completo sobre a bola para se livrar da marcação e puxar o ataque, e levantou o torcedor pela primeira vez no Horto.

Participativo e sempre buscando a bola, o cidadão mais famoso de Ibirubá-RS se mostrava impaciente quando demorava a ser servido pelos companheiros, seja na ponta esquerda do campo ou no meio.

Aos 8, após tentativa frustada de chutar ao gol, seguiu com a bola nos pés e só foi parado com falta pelos adversários. Na cobrança, Fábio Santos facilitou a vida do goleiro Everson.

A cada passe certo, Guedes ouvia os aplausos das cadeiras. Artilheiro da equipe no Brasileirão, com oito gols, ele caiu nas graças da Massa após superar momento de desconfiança e bastante conturbado no início da competição nacional.

Aos 20 minutos, o personagem da rodada ficou perplexo ao ver o companheiro Gustavo Blanco perder gol incrível. Sozinho, sem goleiro, o camisa 30 chutou a bola sobre o travessão. Um lance inacreditável que arrancou o "uuuuh" das arquibancadas da Arena.

Aos 25, foi novamente momento de balançar a cabeça negativamente; agora, por Tomás Andrade ter arriscado de fora da área e não ter optado por apostar na eficiência do lado esquerdo. O chute do argentino, sem força, parou na mão do camisa 1 do Ceará.

Impaciente com a pouca velocidade do time para abrir o placar, Guedes seguiu inquieto. A cada recuo de bola ou trama errada, lá vinha o sinal negativo com a cabeça. Nada que o fizesse abandonar o posicionamento imposto pelo técnico Thiago Larghi.

Aos 32 minutos, novamente falta. Após executar um drible seco no lateral-direito Samuel Xavier, o camisa 23 foi ao chão. Yago, que substituiu o lesionado Adilson, foi chamado por ele para receber algumas instruções.

No finalzinho da primeira etapa, quase sem fôlego, Guedes achou Patric penetrando na área. O lançamento, forte, quase resultou em gol. O lateral, porém, se esticou todo e não conseguiu colocar força na bola.

No apito do árbitro, encerrando o primeiro tempo, lá foi o atacante questioná-lo. Os dois minutos de acréscimo foram cumpridos à risca, mesmo com toda enrolação do goleiro adversário.    
 

Segundo Tempo

Na volta do intervalo, com gás renovado, Guedes não demorou para, novamente, cobrar uma assistência. Livre na entrada da área, questionou Cazares por não ter o servido e preferido o chute a gol. Era o início de mais 45 minutos em busca do gol.

Aos 10, foi a vez de Ricardo Oliveira ter a orelha puxada pelo camisa 23. Novamente por não ter sido visto, de frente para o gol de Everson.

Dois minutos depois, finalmente a primeira chance de balançar as redes. Após a bola sobrar na pequena área, Roger Guedes tentou de letra, mas parou no arqueiro adversário. Na sequência do lance, Patric chutou fraco, sem problemas para o camisa 1.

E não demorou muito para, novamente, a cabeça balançar. Desta vez, por causa da decisão de Gustavo Blanco. O volante chutou forte, Everson defendeu e, no rebote, Ricardo Oliveira explodiu a bola no arqueiro. Livre, livre, Guedes ergueu os braços e chamou a atenção dos companheiros.

Gostando do jogo, o Ceará foi ao ataque. Com isso, era necessário voltar para compor a defesa. Sem a grande oportunidade criada, o atacante estava visivelmente incomodado. O peso de um possível despedida, talvez, fosse o grande motivo de tanta inquietação.

E foi o famoso gesto com a cabeça se repetiu em diversos lances seguintes. Como estava inquieto o valorizado artilheiro!
Melhor na segunda etapa, o Galo pressionou o Vozão. Criando mais oportunidades, o time esteve perto de modificar o marcador, mas parecia não ser a noite.

Os gols da noite

E o pior ainda estava para acontecer. Aos 32, Naldo fez o que nenhum atleticano esperava. Após bobeada de Yago, Naldo abriu o placar.

Ah! Mas o homem da noite ainda guardava uma surpresa. Seis minutos depois, num chute muito bem dado de fora da área, Roger Guedes deixou tudo igual. O nono do camisa 23 na competição.

"O Galo é o time da virada, o Galo é o time do amor!" foi o grito que ecoou no Independência após o tento anotado pelo novo xodó. E só deu Galo em busca da virada. O personagem do duelo, inclusive, seguiu lutando para conquistar aquela que pode der a última vitória pelo alvinegro.

E ele veio. Já nos acréscimos, Luan foi o responsável pelo gol que levou o torcedor ao delírio e o time à segunda colocação do Brasileiro. Penetrando com velocidade, o Maluquinho saiu cara a cara com Everson e, com competência, deixou o dele.

Um fim de noite perfeito para os atleticanos. Agora, é saber se a história com Guedes, de fato, terminará. Saberemos nos próximos dias. O "fica", foi gritado pela Massa ao final do duelo.

Números de Roger Guedes pelo Atlético:
28 jogos

13 gols
13 vitórias
9 empates
6 derrotas

Ficha Técnica:
Atlético 2 x 1 Ceará

Atlético: Victor; Patric, Bremer, Gabriel e Fábio Santos; Adilson (Yago), Blanco (Elias), Cazares e Tomás Andrade; Roger Guedes e Ricardo Oliveira. Técnico: Thiago Larghi.

Ceará: Everson; Samuel Xavier, Luiz Otávio, Rafael Pereira e Tiago Alves; Naldo, Pio (Arnaldo), João Lucas, Ricardinho; Eder Luis e Felipe Azevedo (Romário). Técnico: Lisca

Gols: Naldo, aos 32 minutos do segundo tempo, para o Ceará; Roger Guedes, aos 35, e Luan, nos acréscimos, para o Atlético.

Cartões Amarelos: Fábio Santos (Atlético)

Público e Renda: 22.119 / R$ 303.035, 00