Treinadores mais longevos da Série A do Brasileirão, com mais de um ano e meio no comando de suas respectivas equipes, Mano Menezes, do Cruzeiro, e Enderson Moreira, do América, entram no confronto entre seus times neste domingo (4), às 17h, no Mineirão, pela 5ª rodada do Campeonato Mineiro, com objetivos bem distintos. O comandante cruzeirense tenta manter sua invencibilidade diante do Coelho. O técnico americano busca diante da Raposa a sua primeira vitória num clássico.

O confronto direto entre Mano e Enderson em Minas Gerais começou no returno do Campeonato Brasileiro de 2016. Em 8 de setembro, com gols de Arrascaeta e Ramón Ábila, o Cruzeiro fez 2 a 0 no América no Estádio Independência.

No ano passado, foram mais dois confrontos na casa americana, com uma vitória cruzeirense e um empate, e um no Mineirão, quando o uruguaio Arrascaeta voltou a brilhar e decretou os 2 a 0 que colocaram o Cruzeiro na decisão do Estadual.

FAVORITISMO

Apesar deste histórico, Mano Menezes aposta que o favoritismo passa longe da Raposa, que será mandante e disputará o clássico no Mineirão.

“Desde que eu assumi o Cruzeiro nós já tivemos quatro, cinco clássicos contra o América. E todos eles foram parelhos. A gente sabe que o jogo vai ter essa característica. Ela geralmente circunda os clássicos e não esperamos um jogo diferente disso e que será decidido nos detalhes, como os outros foram, e precisamos ser melhores que o adversário nesse aspecto se quisermos ganhar jogo importante hoje”, afirma o treinador cruzeirense.

Enderson Moreira destaca a força do elenco cruzeirense e acredita que isso faz o time de Mano Menezes ser favorito no clássico deste domingo

Para o visitante Enderson Moreira, há favoritismo sim no clássico deste domingo.

“É claro que vamos enfrentar um time que é favorito, não só no Campeonato Mineiro, mas favorito às conquistas das principais competições nacionais e internacionais, como a Libertadores. O Cruzeiro tem um elenco muito forte, com muitas possibilidades. Às vezes, não sabemos qual jogador tem mais capacidade técnica, se é o que está jogando, o que está de fora, porque são jogadores de altíssimo nível”, garante o treinador americano.

Sem dúvida, o duelo entre os dois treinadores mais longevos do futebol brasileiro na atualidade será uma atração a mais no clássico deste domingo, principalmente pelo tabu que envolve as suas histórias em Minas Gerais.