Quando Fábio Santos conseguiu pegar a bola do jogo para cobrar o segundo pênalti marcado a favor do Atlético na última rodada, o clima era de tensão até mesmo para os jogadores do banco de reservas. A conversão em gol do lateral foi de alívio. Afinal, das oito penalidades que o Galo teve no Brasileirão 2017, cinco foram errados, o que culminou na "perda" de cinco pontos.

Somente o camisa 6 conseguiu ter sucesso nas tentativas da marca penal. Fábio marcou três gols de pênalti (Coritiba, Flamengo e Palmeiras). Enquanto quatro outros atletas do Galo falharam na cobrança. Dois deles não tiveram grande efeito - Cazares e Robinho erraram contra Coritiba e Grêmio, respectivamente, e, caso tivessem feito o gol, não alterariam os resultados. O Galo venceu o Coxa por 2x0 e perdeu pelo mesmo placar em Porto Alegre.

Porém, se os atacantes Fred e Rafael Moura tivessem tido melhor sorte nos chutes, o Atlético teria vencido o Botafogo no Rio ao invés de empatado (dois pontos extras), empatado com o Santos ao invés de ter perdido (um ponto extra), e vencido o Palmeiras ao invés de ter empatado (dois pontos extras). Cinco pontos a mais daria ao Atlético 35 pontos na tabela, ultrapassando Fluminense, Atlético-PR, Vasco, Botafogo e Cruzeiro. Assim, desconsiderando o "efeito borboleta", o Galo estaria já no G6 (zona de classificação para a Libertadores).

O atacante Fred, artilheiro do time no ano com 23 gols, errou dois pênaltis no Brasileirão. Primeiro contra o Santos, na derrota no Independência, e novamente diante do Palmeiras, na última rodada. Curiosamente, nas duas partidas o goleiro Victor fez defesas de pênalti, contra Kayke e Deyverson. 

Ele ainda defendeu contra o Botafogo - no jogo em que He-Man falhou a cobrança -, mas o atacante Roger fez o gol no rebote; além de ter parado Willian na partida contra o Palmeiras no 1º turno, mantendo o 0 a 0. A felicidade de um vira o momento ruim de outro. Mas Fred conta com o apoio dos companheiros para acabar com a "zica" que lhe consome há sete jogos, o maior jejum dele com a camisa do Galo.

"É um jogador de muita experiência, já passou por isso algumas vezes. É uma situação normal na vida do atacante. Ele está sabendo lidar com ela, positivamente. Está se cobrando, normal. Tem que se cobrar mesmo. A gente conversa para dar forças. Temos confiança plena nele. Uma hora a bola vai entrar. Ele pode estar este tempo sem fazer gol, mas vai chegar num jogo que irá fazer três (gols) e levar a bola pra casa", disse o capitão Leonardo Silva.