Eliminado da Copa do Brasil, o que Sérgio Sette Câmara rotulou como cenário trágico há pouco mais de uma semana, o Atlético deixa de ter um lucro considerável para os cofres. Ao perder para a Chapecoense nos pênaltis, nas oitavas do torneio nesta quarta-feira (16), deixou de receber R$ 3 milhões.

Soma-se a isso os 300 mil dólares (R$ 1.103.910,00 na cotação atual), e o Galo deixa de receber R$ 4 milhões num espaço de oito dias. Eliminado para o San Lorenzo, na Sul-Americana - "Segunda Divisão da Libertadores" -, e varrido pela Chape após duplo 0 a 0 - "tragédia".

Palavras ditas pelo presidente Sérgio Sette Câmara, na polêmica entrevista após ficar no 0 a 0 contra o time do Papa em 8 de março. O Galo, agora, tem calendário de apenas uma competição - Campeonato Brasileiro, de maio até dezembro, com parada da Copa do Mundo.

O clube mineiro deixa a Copa do Brasil com R$ 7,8 milhões acumulados, por ter marcado presença em cinco fases do torneio milionário - receberia R$ 67,3 milhões totais se fosse campeão. Na Sul-Americana, recebeu 250 mil dólares (R$ 920 mil) por enfrentar o San Lorenzo.

Deixa os dois torneios mata-mata que tinha no calendário de 2018 com um bom dinheiro, mas que poderia ser bem superior. Afinal, poupou forças na Sula e ficou no quase, precisando de apenas um gol. Mesmo cenário que os titulares não souberam reverter na Arena Condá.

Agora, é conseguir fazer valer as palavras presidenciais, que ditam o terceiro lugar no Brasileirão como projeção até a 12ª rodada, quando o Brasileirão é paralisado e só volta após o Mundial da Rússia.

Leia também:
'Tragédia': artilheiros erram pênaltis, e Atlético é eliminado pela Chapecoense na Copa do Brasil
Libertadores e Copa do Brasil: Chape volta a 'entrar no caminho' do Atlético em eliminação
'Bola para frente e foco no Brasileiro', diz Thiago Larghi, após nova eliminação do Atlético