A brincadeira dos surfistas norte-americanos que resolveram criar pranchas com rodinhas para os períodos sem ondas ou de maré baixa (ao menos assim reza a lenda) se tornou esporte profissional. E, em Tóquio, será modalidade olímpica, o que, considerando a trajetória de feras como Bob Burnquist ou Sandro Dias, o Mineirinho, traz boas perspectivas para o Brasil.

Pois Belo Horizonte vai ganhar, na primeira semana de junho, um local para a prática que promete dar impulso extra ao skate em Minas. O ‘bowl’ (bacia, em inglês) do Parque Fazenda Lagoa do Nado, no bairro Itapuã, receberá, nos dias 3 e 4, o BH Skate Invasion.

A competição é aberta a todas as categorias, do Mirim ao Profissional, passando pelo Feminino e pela turma das antigas, dividida em Master, Grand Master, Legend e Grand Legend e Profissional.

O evento surgiu, entre outros, do empenho de um craque da música que também faz bonito na pranchinha. Vocalista e guitarrista da banda Pato Fu, John Ulhôa não tem dúvidas de que a cidade entrará, a partir de agora, no mapa mundial do esporte.

“Os parques precisam ser um oásis no meio das grandes cidades. E será uma oportunidade única para a capital mineira”, garante o músico e skatista, que promete mostrar muito do que sabe sobre quatro rodinhas.

Além dele, outra atração é a presença de um dos nomes que ajudaram a popularizar o esporte mundialmente na década de 1980: o norte-americano Christian Hosoi.

Inventor de manobras como o Christ Air e o Rocket Air (ambas em referência a seus apelidos), ele comandará um dos times de finalistas no domingo. Hosoi vive uma retomada depois de ter sido preso por tráfico de anfetaminas e cumprido quatro anos de detenção na Califórnia. Um episódio do qual fala sem mistérios, inclusive na tentativa de alertar os mais jovens.

No comando do outro time, mais um craque internacional: o também norte-americano Mike McGill. Para completar a festa, DJs garantindo a trilha sonora, clínicas para crianças e iniciantes, food trucks e outras atrações. É torcer para que o espaço, depois da “invasão do bem” seja bem aproveitado e bem cuidado.

Leia mais:
Confira outras reportagens publicadas no especial Tóquio-2020