Mesmo fora da disputa da Copa das Confederações, o Brasil foi lembrado duas vezes na cerimônia de encerramento da competição, em São Petersburgo, neste domingo (2). O país foi homenageado com danças típicas, por ser um dos campeões do torneio, e ainda teve Ronaldo entregando em campo com a taça que será entregue ao campeão mais tarde.

Ronaldo percorreu o gramado nos instantes finais da cerimônia carregando o troféu que ficará com o Chile ou com a Alemanha, que decidirão a Copa das Confederações a partir das 15 horas (horário de Brasília) - mais cedo Portugal garantiu o terceiro lugar ao vencer o México por 2 a 1, na prorrogação.

Antes da entrada do ex-atacante da seleção brasileira, a cerimônia reservou homenagens a todos os países que já foram campeões do torneio-teste da Copa do Mundo. O Brasil, por ser o maior campeão, com quatro títulos, recebeu a homenagem mais longa, na qual dançarinos usavam temáticas locais para lembrar o país. No caso brasileiro, o tema foi o carnaval.

No começo da cerimônia, os russos lembraram referências nacionais da futura sede da Copa, como o balé e danças típicas. Além disso, o evento contou com a presença do mascote do Mundial.

TITE - Presente na Rússia na reta final da Copa das Confederações, o técnico Tite lamentou mais uma vez não poder estar com a seleção na competição. "Eu me sinto um pouco fora. É diferente ver o jogo daqui [de cima]. Eu preferia estar ali, na beira do gramado", brincou o treinador, em entrevista ao canal Sportv. Tite e o coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, apostaram em vitória do Chile na final deste domingo.

Ambos estão na Rússia para acompanhar as partidas das semifinais e da final e também para escolher a futura sede brasileira na Copa de 2018. Nos últimos dias, eles visitaram diversas cidades, conheceram centros de treinamento e hotéis. "Temos muita coisa ainda a serem discutidas. Gostaria de definir isso o quanto antes", declarou Edu, sem estabelecer um prazo certo para a escolha da cidade.