Quando o atacante Roni nasceu, em abril de 1991, Ronaldo Fenômeno dava os primeiros passos no futebol com a camisa do modesto São Cristovão-RJ. Aos 25 anos e disputando pela primeira vez o Mineiro, o camisa 9 do Villa briga para ser o artilheiro da competição, assim como o ídolo, hoje aposentado, fez em 94. 

Nascido em Marília, no interior de São Paulo, Ronieli Gomes balançou as redes cinco vezes no Estadual e, mesmo com a campanha ruim do Leão do Bonfim – o time é o 9º colocado, com sete pontos na tabela –, está atrás apenas de Fred na artilharia. O atleticano marcou nove gols.

“Estou muito feliz com meu desempenho e os gols que venho fazendo. Estou atrás do Fred, que é um dos melhores atacantes do Brasil e do mundo”, comenta ao Hoje em Dia

Artilheiro entre os atacantes dos clubes do interior, Roni também deixa para trás na disputa Rafael Sobis e Hugo Almeida, atacantes titulares de Cruzeiro e América, respectivamente. Rafael Moura e Ábila, reservas imediatos de Galo e Raposa, também são superados pelo villa-novense. Todos eles marcaram três gols (cada).

Bagagem internacional
Revelado pelo São Paulo, onde teve vínculo dos 11 aos 24 anos, o “homem-gol” do Villa tenta na cidade colonizada por ingleses o sucesso que não conseguiu no Tricolor e também atuando fora do país.

“Não tive a oportunidade que gostaria como profissional, mesmo sendo emprestado quatro vezes ao exterior”, conta Roni. Fora do Brasil, ele atuou por Gyeongnam, da Coreia do Sul, Karsiyaka e Adanaspor, ambos da Turquia, e Sagan Tosu, do Japão. 

“Apesar de ser muito novo, já vivi bastante no futebol. Fora do país eu aprendi em todos os sentidos. Foi muito importante este momento. Retornei com bagagem e bastante experiência”, conclui o atacante contratado em dezembro ao Mogi Mirim-SP.

Novo comando
Para o jogo contra o Tupi, marcado para às 16h do próximo domingo, em Nova Lima, o time de Roni terá novidade no comando. Na tarde de ontem, a diretoria demitiu o técnico Leston Júnior. O substituto, porém, não foi anunciado.