O suíço Roger Federer segue firme na busca pelo seu oitavo título de Wimbledon, Grand Slam londrino disputado em quadras de grama. Nesta quarta-feira (12), com uma grande atuação, o número 5 do mundo se classificou às semifinais ao derrotar o canadense Milos Raonic, o sétimo colocado no ranking da ATP, por 3 sets a 0, com parciais de 6/4, 6/2 e 7/6 (7/4), em 1 hora e 57 minutos.

Campeão do Aberto da Austrália no início da temporada, Federer agora está com o caminho livre dos seus principais rivais para tentar faturar o 19º Grand Slam da sua carreira, afinal, o espanhol Rafael Nadal, o sérvio Novak Djokovic e o britânico Andy Murray foram eliminados de Wimbledon antes das semifinais.

A vitória desta quarta-feira também serviu como vingança para Federer, afinal, em 2016, o suíço foi eliminado nas semifinais do Grand Slam londrino exatamente por Raonic. Além disso, a sua classificação veio no seu 100º jogo em Wimbledon, com 89 vitórias e 11 derrotas. E agora está classificado para a sua 12ª semifinal em Londres.

No primeiro set da partida com Raonic, Federer converteu um break point no quinto game e, depois, liderando o placar, não teve problemas para fechar a parcial em 6/4. Embalado, abriu a segunda parcial com um break convertido no primeiro game e depois fez 5/1 logo após conseguir nova quebra de serviço no quinto game, a fechando em 6/2.

O terceiro set foi o mais complicado da partida. Raonic passou a arriscar mais e teve cinco chances para quebrar o saque de Federer, todas salvas pelo suíço. Assim, a definição da parcial foi para o tie-break, quando o canadense chegou a abrir 3/0. Só que aí Federer fez cinco pontos seguidos, passou a liderar o placar por 5/3 e venceu o tie-break por 7/4, avançando às semifinais em Londres.

O próximo rival de Federer em Wimbledon vai ser o checo Tomas Berdych, que se classificou às semifinais com o abandono do sérvio Novak Djokovic na partida entre eles pelas quartas de final. E um triunfo sobre o rival na próxima sexta-feira vai classificar o suíço para a sua 11ª decisão no Grand Slam londrino.

Djokovic abandonou a partida no segundo set do confronto. O sérvio havia perdido o primeiro set do duelo para Berdych por 7/6 (7/2) e optou por desistir do confronto quando era batido na segunda parcial por 2/0, contundido, após ficar 1 hora e 3 minutos em quadra.

Na última terça-feira, quando avançou às quartas de final de Wimbledon com uma fácil vitória sobre o francês Adrian Mannarino, Djokovic recebeu atendimento médico para dores no ombro direito em um indicativo de que não estava nas suas melhores condições físicas, o que agora acabou se confirmando.

Os problemas voltaram a se repetir nesta quarta-feira. Djokovic recebeu atendimento médico durante o primeiro set e acabou depois optando por deixar o jogo e encerrar a sua participação em Wimbledon, Grand Slam para o qual adotou uma preparação diferente para tentar encerrar a sua irregularidade na temporada, o que incluiu a participação no Torneio de Eastbourne, em que foi campeão.

Assim, com o abandono desta quarta-feira, viu se encerrar o sonho de conquistar pela quarta vez na sua carreira o título no All England Club. Já Berdych está classificado para a semifinal de Wimbledon pela terceira vez na sua carreira sendo a segunda consecutiva. E agora o checo tentará igualar a sua melhor campanha em Londres, em 2010, quando foi finalista. Para isso, porém, precisará desafiar o ótimo retrospecto de Federer, que acumula 18 vitórias em 24 partidas contra ele.