Foram 105 gols em 410 jogos. Isso lhe garante a 13ª posição no ranking dos principais artilheiros da história do clube. Mas num determinado momento da carreira, já veterano, ele agitou a maior rivalidade mineira trocando de clube em Belo Horizonte. Não é de Fred que estou falando. O personagem é Nelinho, o maior lateral-direito da história cruzeirense e que encerrou a carreira vestindo a camisa atleticana.

A troca de lado de Nelinho aconteceu em 1982, logo após a disputa do Campeonato Brasileiro, que naquela época era a primeira competição do ano. Considerado “laranja podre” pelo técnico Yustrich, que assumiu o time após a eliminação precoce na competição nacional, ele deixou a Toca da Raposa e foi para a Vila Olímpica.

Nelinho

Nelinho no Cruzeiro, o segundo em pé, da esquerda para a direita

No Atlético, em cinco anos, foram quatro títulos mineiros, três semifinais de Campeonato Brasileiro e 52 gols em 274 partidas. Inicialmente, o cruzeirense comprou a ideia do novo treinador e da diretoria. Mas esse sentimento logo se transformou em depressão, pois o antigo ídolo logo se transformou num dos destaques do rival.

O último jogo de Nelinho pelo Cruzeiro foi em 20 de março de 1982, uma derrota de 1 a 0 para a Anapolina, de Goiás, no Mineirão, que decretou a eliminação do time comandado pelo técnico Brito do Brasileirão daquele ano.

Em 2 de maio do mesmo ano, um jogo pela Taça dos Campeões, torneio criado para manter em atividade os clubes eliminados do Brasileirão, levou 52.328 pagantes ao Mineirão. A atração era justamente a estreia de Nelinho num time quase reserva do Atlético, pois Luizinho, Toninho Cerezo e Éder já estavam treinando na Seleção Brasileira, para a disputa da Copa do Mundo da Espanha, e Reinaldo estava machucado.

Agora, depois de 35 anos, a história pode se repetir. Fred não sai do Atlético por causa de treinador ou diretoria, pelo menos oficialmente, como foi o caso de Nelinho em 1982. De toda forma, o Cruzeiro, onde ele jogou em 2004 e 2005, marcando 55 gols em 71 jogos, tem no final de 2017 a chance de dar o troco em um dos capítulos mais polêmicos da história do clássico.

Afinal, Nelinho não era laranja podre. Muito pelo contrário. Era o maior lateral-direito da história do futebol mineiro. E o cruzeirense, acostumado com sua qualidade e gols por quase uma década (1973 a 1982) foi obrigado a seguir acompanhando o seu sucesso com  camisa rival.

Fred já movimentou o futebol mineiro quando veio para o Atlético, na metade do ano passado. Agora vai virar um troco cruzeirense depois de 35 anos? Como diz Adilson Batista: “vamo aguardá!”.