Um dos clubes mais tradicionais de São joão Del Rei, no Campo das Vertentes, o Social Futebol Clube tem se tornado, cada dia mais, fonte de novos talentos e opção para as grandes equipes do país. Apesar de não figurar em nenhuma divisão do Campeonato Mineiro, o time xavante há três anos investe nas categorias de base e vê o trabalho render os primeiros frutos. Só nesta temporada, foram sete negociados.

Fundado em 15 de setembro 1939, o Social atualmente trabalha com 80 atletas – integrantes das categorias Sub-15, Sub-17 e Sub-20, além de 120 alunos da escolinha. O projeto, criado há três anos, tem participação direta dos ex-zagueiros Cláudio Caçapa e André Luiz, que começaram a carreira no clube de São João e que tiveram passagens de destaque no Brasil e também na Europa.

Atualmente auxiliar técnico no Lyon-FRA, Caçapa deixou a cargo do amigo e sócio, com o qual atuou no clube em 1996, a função de comandar o projeto de formação. Outros importantes parceiros também entraram em cena para ajudar a bancar as despesas.

“Em três anos, já colocamos 16 atletas, de 14 a 17 anos, em diferentes clubes. Somos um clube amador, que investe em três categorias de base”, conta André. “Para disputar o

Estadual na Sub-20, arrendamos o Figueirense, clube profissional da cidade”, acrescenta.

Aproveitando a influência que conquistaram no futebol europeu, no ano passado a dupla enviou cinco atletas que fizeram estágio de 45 dias no Nancy-FRA, ex-clube de André Luiz, e num outro clube da Eslováquia.

Taça BH Sub-17

Eliminado fase de oitavas de final da Taça BH Sub-17, quando acabou derrotado pelo Palmeiras, o Social colheu frutos da boa campanha no segundo torneio de base mais importante do futebol brasileiro.

“Após nossa excelente participação na Taça BH, quando deixamos RB Brasil e Santos para trás na primeira fase, negociamos sete atletas. Foram cinco para o Fluminense, um para o América e outro para o Cruzeiro”, revela o braço-direito de Caçapa e velho conhecido em Minas.

social