Próxima entrevistada da seção Papo em Dia, a nadadora Joanna Maranhão revelou ter recebido apenas dois salários da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) durante toda a preparação para os Jogos Olímpicos Rio 2016.

Nesta quinta-feira (6), a atleta comemorou nas redes sociais a prisão de dirigentes da entidade por suspeita de desvios de R$ 40 milhões em recursos públicos. "Era novidade pra vocês que eles estavam desviando grana? Pra mim não. E afirmo: não era novidade para NINGUÉM. E repito: quem se calou sempre foi conivente", publicou a atleta no Twitter.

Principal voz crítica contra a entidade entre os atletas, a pernambucana de 29 anos recebeu a reportagem do Hoje em Dia na véspera da operação da Polícia Federal, no Centro de Treinamento da UFMG, onde trabalha desde o início deste ano.

Na entrevista, a nadadora da equipe Unisanta detonou a aplicação de verbas pela entidade durante o último ciclo olímpico. Confira alguns trechos:

Crise na CBDA

"Às vezes eu tenho vontade de fazer um canal no Youtube só para a gente falar sobre todos os problemas, porque é muita coisa. As pessoas não fazem ideia, é caso de polícia”.

Natação na Rio-2016

"O desempenho da seleção brasileira foi péssimo. Mas não foi péssimo por falta de dinheiro. O dinheiro estava lá, mas só chegou para alguns atletas que a CBDA entendeu como potenciais medalhistas. Uma ou duas mulheres, no máximo, sendo que eu não estava incluída".

Recebimento de salários

“De salário, eu recebi dois meses durante toda a preparação olímpica. E esses dois salários foram o que eu usei para comprar o traje com o qual eu competi nos Jogos”.

O Papo em Dia com Joanna Maranhão será publicado na íntegra neste sábado (8), nas versões impressa e online do jornal Hoje em Dia.